Editorial

O ajuste precisa de sentido e objetivos claros

| 19/12/2015 - 00:01

A demissão do ministro da Fazenda Joaquim Levy vem encerrar um ano de sucessivos fracassos na busca do ajuste fiscal e que está tendo um elevado custo para a economia brasileira. Embora seja inegável que a atual crise tem um forte componente político, devido às indefinições que os impasses em torno das disputas pelo poder ocasionam, os resultados apresentados pelo ministro Joaquim Levy ao longo deste terrível ano para os brasileiros falam por si e mostram que na verdade a condução do ajuste estavam deixando muito a desejar e causando um enorme dano à nossa economia. Embora o Brasil tenha sim problemas que precisa ajustar, a verdade é que vivemos uma estabilidade inflacionária já de décadas e que as medidas do ex-ministro estavam colocando em risco ao atingir diretamente em com critérios pouco claros os custos das mais variadas atividades, além da necessária cultura da sociedade em torno do comportamento inflacionário. Quando o próprio governo começa a adotar mecanismos de repasse da inflação aos preços alguma coisa está errada e ao final o que vai se ter é mais inflação.
Na verdade após um ano de ajuste sob o ministro Joaquim Levy não apenas a inflação aumentou como também os juros acabaram sendo elevados, além do próprio dólar elevar seu valor e o Brasil perder seus selos de bom pagador junto a agências internacionais. Embora o discurso do ex-ministro fosse no sentido do ajuste a verdade é que estava ocorrendo um desarranjo geral, com alta da inflação, do desemprego, dos juros e da dívida pública. Ao mesmo tempo a atividade econômica estava em franca desaceleração e o Produto Interno Bruto que até o ano passado era criticado pelo franco crescimento simplesmente entrou em queda livre e deve atingir neste ano um dos piores resultados das últimas décadas. O ministro não cometeu apenas erros e não é o único responsável pelos problemas, pois na verdade a crise política também serviu de escudo para interesses que resistiam em ajustar seus gastos a uma nova realidade de contenção. Espera-se que agora o novo ministro Nelson Barbosa saiba colocar estes segmentos dentro do ajuste e promover as medidas efetivas necessárias, mobilizando a sociedade e as demais esferas de governo no sentido de promover as medidas que a situação exige, mas apontando um Norte que até aqui não existia. Isto trará a necessária credibilidade, criando um ajuste democrático ao invés de um mergulho econômico sem resultados nem sentido.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Editorial'

Meu ponto de vista sobre o aumento do IPTU em Toledo.

Mais Destaques
"Dirigiu bêbado e foi pego, ANOTE AI: é crime sem fiança! A pena mínima é de CINCO ANOS de reclusão, perde a careteira de motorista definitivamente e essa pena NÃO se pode converter mais em prestação de serviços, ou seja, vai ficar PRESO! "
(Governo Federal)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)