Segurança

Operação liberta 20 trabalhadores em condições de escravidão em Guaraniaçu

| 18/05/2016 - 00:01

O Grupo Especial de Fiscalização Móvel (GEFM), formado por integrantes do Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público do Trabalho (MPT), Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), Defensoria Pública da União (DPU) e Polícia Federal (PF), deflagrou uma operação no município de Guaraniaçu, a aproximadamente 50 quilômetros de Cascavel, na última quinta-feira (12), e libertaram 20 pessoas, entre elas um menor de idade, em condições análogas à escravidão que trabalhavam na Fazenda Planalto.
Um inquérito policial foi instaurado e as investigações sobre o caso ficam a cargo do MPF em Cascavel e da Polícia Federal (PF). O proprietário da fazenda, Nelson Luis Slaviero, e o responsável pelo agenciamento da mão-de-obra, João Julio Borges Machado, foram presos em flagrante pelos crimes de redução de pessoa à condição análoga à de escravo e omissão de anotação de vínculo empregatício em carteira de trabalho. As vítimas foram levadas para um hotel da região.
Os trabalhadores, responsáveis pelo serviço de roçada e limpeza de pasto da Fazenda Planalto, encontravam-se em situação extremamente degradante num alojamento improvisado, feito com pedaços de madeira cobertos com lona plástica preta. As camas eram feitas com galhos de árvores e colchonetes sujos e rasgados.
O alojamento fica a 30 minutos da sede da propriedade e o acesso só é possível com carro com tração 4x4. As pessoas não eram impedidas de sair do local mas como não havia fornecimento de transporte pelo empregador, a possibilidade de deslocamento era esporádica.
Nenhum dos empregados possui carteira de trabalho assinada ou tinha acesso a instalações sanitárias mínimas. As necessidades fisiológicas tinham que ser feitas no mato. O armazenamento de alimentos era feito de forma insalubre e a água utilizada para beber, preparar comida e para higiene era de um córrego próximo da sede da fazenda.
“A revelação de fatos como este demonstra que o trabalho escravo ainda está presente entre nós e alerta que o Estado brasileiro e a sociedade civil devem continuar empreendendo esforços para erradicar de uma vez por todas essa prática cruel e degradante, que aniquila a personalidade e a dignidade das vítimas dessa nova forma de escravidão”, ressaltou o procurador da República em Cascavel, Felipe D´Elia Camargo.
Dados - O tamanho do problema no país ainda assusta e precisa ser combatido com efetividade. Tanto que, nos últimos cinco anos, o MPF instaurou 3.812 procedimentos extrajudiciais para apurar práticas relacionadas ao trabalho escravo. Além disso, foram autuadas 880 ações penais e abertos 2.993 inquéritos policiais correspondentes a esse crime. Os dados constam de levantamento feito pela Câmara Criminal do órgão e divulgado no mês de janeiro.
Entre os anos de 2014 e 2015, o MPF participou de 19 operações com o Grupo Especial de Fiscalização Móvel do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), cuja meta é aprimorar a qualidade das provas, regularizar os vínculos empregatícios dos trabalhadores encontrados e libertá-los da condição de escravidão. No acumulado dos dois anos, foram resgatadas 1.877 pessoas.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Segurança'

PM contará com reforço de 69 novos policiais em Toledo e região

Jovem rondonense morre carbonizado em Toledo

Cinco mil carteiras de cigarros apreendidas

Motorista de Assis Chateaubriand, tenta ajudar e é assaltado

Veículo recuperado pela Polícia Militar em Toledo

Alerta várias residencias assaltadas

Ameaça de fogo em colégio alerta diretora

Homem é atigido por arma de fogo

Alerta de motorista desaparecido

Ocorrências Policiais

Mais Destaques

Esporte

Rondon será sede da fase macro dos Jogos Escolares do Paraná

Cidade

PM prendem suspeitos de roubo e recupera objetos

AgroGazeta

Embrapa lança cultivar de soja

Gente X Poder

Administração de Lúcio copia "Corujão da saúde".

"“Eu acuso! Meu dever é de falar, não quero ser cúmplice. Minhas noites seriam atormentadas pelo espectro do inocente que paga por um crime que não cometeu”. O trecho, extraído da célebre carta “J’Accuse” escrita em 1898 por Émile Zola."
()
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)