Editorial

Saúde descentralizada exige planejamento e prioridades

| 29/12/2013 - 00:00

Os anúncios da obtenção de recursos para a implantação de novos postos de saúde – as chamadas Unidades Básicas de Saúde - nos bairros Panorama e Coopagro apontam no sentido da retomada dos investimentos nestas estruturas, que são fundamentais para levar o atendimento mais próximo da população. Ao longo dos anos os últimos grandes investimentos no setor foram voltados à centralização, sendo direcionados basicamente à ampliação da estrutura e mesmo da busca de uma vocação ou perfil para o Mini Hospital. Neste sentido ele recebeu recursos sem um planejamento e teve experimentos como o da proposta de implantação da Maternidade Municipal e outras que tiveram um custo para os cofres públicos mas com respostas no mínimo discutíveis. Isto ocorreu dentro de um contexto onde o Mini Hospital foi sempre sendo apontado como a solução para o setor. Na verdade hoje percebe-se que, apesar da numerosa população da Grande Pioneiro, outros bairros e regiões da cidade também cresceram ao longo dos anos, exigindo também atenção e investimentos, os quais porém não vieram e agora enfim começam a ser vislumbrados.
Ao se aproximar dos 130 mil habitantes fica claro que Toledo experimentou grande crescimento populacional em vários bairros e regiões distantes do Mini Hospital e esta estrutura não pode mais continuar sendo a única voltada a urgências, até porque ela é também a ferramenta disponível para a atenção básica de toda a sua região e esse papel acaba sendo sacrificado em benefício do atendimento de urgência de toda a cidade. O Jardim Coopagro chegou a ter esboçado um projeto de regionalização do atendimento de urgência da saúde em Toledo, o qual no entanto ficou restrito à troca de curativos. A proposta original porém tinha uma boa base, pois visava descentralizar o atendimento, contemplando a parte norte da cidade e assim retirando parte da demanda que sobrecarregava o Mini Hospital. Infelizmente ela não se concretizou e hoje a reavaliação da saúde passa por outras demandas e projetos, entre as quais a UPA-Unidade de Pronto Atendimento e o próprio Hospital Regional,mas independentemente do projeto global, está claro que o crescimento da cidade exige investimentos em estruturas. A lógica aponta que os bairros de maior expansão populacional devem ter prioridade e espera-se que neste sentido as avaliações de órgãos como o Conselho Municipal de Saúde e a própria Câmara Municipal contribuam para embasar devidamente na realidade toledana estes investimentos. Desta forma os recursos públicos a serem investidos nos novos postos terão melhores resultados, a população será respeitada em suas necessidades e o próprio setor de saúde expandirá sua atuação de forma organizada e de acordo com um planejamento que é fundamental e também uma demonstração de respeito ao contribuinte e aos recursos públicos que ele proporcionou e que serão aplicados nas prioridades escolhidas.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Editorial'

Meu ponto de vista sobre o aumento do IPTU em Toledo.

Mais Destaques

Geral

Quedas com diferença de nível são a segunda principal causa de acidentes fatais no trabalho

Esporte

Esgrima paranaense sagra-se campeã em Torneio Nacional

Gente X Poder

As “pedaladas” do Lúcio

Economia

Fomento Paraná capta mais R$ 30 milhões para operações de microcrédito

Estado

Paraná tem queda no preço do etanol hidratado nos postos, diz ANP

Regional

Unioeste realiza Ciclo de Debates sobre “A legitimidade do Poder Político”

AgroGazeta

Cientistas desenvolvem o primeiro pulverizador eletrostático que pode ser levado nas costas

Cultura

Público nos museus estaduais aumenta em 70% em sete anos

"ultrapassamos os 13 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo em 3 anos. Aqui sua propaganda, propaga - 45 9.91339499"
(Leitores)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)