Artigos

Alimento para os mais pobres

| 28/06/2017 - 22:00

Acredito que, mais do que um dever como cidadão, o cuidado para com os mais pobres é um chamado de Deus dirigido a todas as pessoas que possuem condições econômicas, suficientes para a manutenção de sua família e para praticar obras de caridade. Trago sempre na memória um trecho da Carta de Tiago, onde no segundo capítulo, o hagiógrafo declara que a fé sem obras é morta.
“De que aproveitará, irmãos, a alguém dizer que tem fé, se não tiver obras? Acaso esta fé poderá salvá-lo? Se a um irmão ou a uma irmã faltarem roupas e o alimento cotidiano, e algum de vós lhes
disser: Ide em paz, aquecei-vos e fartai-vos, mas não lhes der o necessário para o corpo, de que lhes aproveitará? Assim também a fé: se não tiver obras, é morta em si mesma. Mas alguém dirá: Tu tens fé, e eu tenho obras. Mostra-me a tua fé sem obras e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras (Tg 2, 14-18).
Dito isso e tomando como base o texto bíblico, é de suma importância que aqueles que possuam alguma coisa, dividam como aquelas que nada têm, mesmo que seja pouco, certamente será suficiente para amenizar, ainda que momentaneamente, uma situação de penúria. É claro que se possível devemos promover os meios necessários para que o indigente melhore sua condição e tenha meios próprios para promover o seu sustento; contudo, “muitas vezes se você não der o peixe ao pobre, ele morrerá de fome muito antes de aprender a pescar”.
Segundo relatórios da ONU, uma pessoa morre no mundo a cada três segundos por causa da fome, o que equivale a 20 pessoas por minuto, 1.200 pessoas por hora e 28.800 pessoas por dia perecendo por falta de alimento. Em contrapartida, estima-se que 1/3 dos alimentos produzidos no mundo é desperdiçada.
Precisamos partilhar e acabar com o desperdício, fazer chegar o alimento ao faminto. Mesmo que pareça pouco o que podemos fazer, a longo prazo, progressivamente, o resultado será expressivo. É imprescindível toda e qualquer ação de boa-fé em prol dos mais necessitados.
A caridade é mais gratificante para quem a pratica do que para quem a recebe. Infelizmente o ser humano de maneira geral é pouco generoso, inclusive eu. Não é fácil superarmos as barreiras do egoísmo e da falta de caridade, se assim fosse, não haveria fome no mundo. Partilhar é dom de Deus, peçamos a Ele este dom.
“Se deres do teu pão ao faminto, se alimentares os pobres, tua luz levantar-se-á na escuridão, e tua noite resplandecerá como o dia pleno” (Isaías, 58, 10).
Jeandré C. Castelon
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Artigos'

A velha política

Xadrez Político: A necessária troca do tabuleiro

Imediatamente deixaram tudo e seguiram Jesus

Os reflexos da violência na sociedade

Pela trilha do século passado

Brasil: a imperfeita separação dos poderes

“Mestre, onde moras? Vinde e vede”. E permaneceram com Ele

Ministra Cristiane Brasil, berço e judicialização como retrato da política do país

Complexo do colonizado

O ensinamento de Jesus liberta e salva

Mais Destaques

Segurança

BPFron apreende 35 pistolas, 51 carregadores e oito mil munições

Cidade

Municípios receberão R$ 6,6 bi da participação no ICMS em 2018

Geral

Prosperidade de bilionários impulsiona grande desigualdade global

Política

Porto Alegre vive clima de apreensão com julgamento de Lula

AgroGazeta

Matéria prima com origem gera alimentos com qualidade

Variedades e Gente

Material escolar também pode estimular a criatividade e organização nos estudos

Cultura

Dia de festa para um dos grandes violonistas do país

Esporte

Toledo enfrenta o Foz hoje

"Dirigiu bêbado e foi pego, ANOTE AI: é crime sem fiança! A pena mínima é de CINCO ANOS de reclusão, perde a careteira de motorista definitivamente e essa pena NÃO se pode converter mais em prestação de serviços, ou seja, vai ficar PRESO! "
(Governo Federal)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)