Artigos

Alimento para os mais pobres

| 28/06/2017 - 22:00

Acredito que, mais do que um dever como cidadão, o cuidado para com os mais pobres é um chamado de Deus dirigido a todas as pessoas que possuem condições econômicas, suficientes para a manutenção de sua família e para praticar obras de caridade. Trago sempre na memória um trecho da Carta de Tiago, onde no segundo capítulo, o hagiógrafo declara que a fé sem obras é morta.
“De que aproveitará, irmãos, a alguém dizer que tem fé, se não tiver obras? Acaso esta fé poderá salvá-lo? Se a um irmão ou a uma irmã faltarem roupas e o alimento cotidiano, e algum de vós lhes
disser: Ide em paz, aquecei-vos e fartai-vos, mas não lhes der o necessário para o corpo, de que lhes aproveitará? Assim também a fé: se não tiver obras, é morta em si mesma. Mas alguém dirá: Tu tens fé, e eu tenho obras. Mostra-me a tua fé sem obras e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras (Tg 2, 14-18).
Dito isso e tomando como base o texto bíblico, é de suma importância que aqueles que possuam alguma coisa, dividam como aquelas que nada têm, mesmo que seja pouco, certamente será suficiente para amenizar, ainda que momentaneamente, uma situação de penúria. É claro que se possível devemos promover os meios necessários para que o indigente melhore sua condição e tenha meios próprios para promover o seu sustento; contudo, “muitas vezes se você não der o peixe ao pobre, ele morrerá de fome muito antes de aprender a pescar”.
Segundo relatórios da ONU, uma pessoa morre no mundo a cada três segundos por causa da fome, o que equivale a 20 pessoas por minuto, 1.200 pessoas por hora e 28.800 pessoas por dia perecendo por falta de alimento. Em contrapartida, estima-se que 1/3 dos alimentos produzidos no mundo é desperdiçada.
Precisamos partilhar e acabar com o desperdício, fazer chegar o alimento ao faminto. Mesmo que pareça pouco o que podemos fazer, a longo prazo, progressivamente, o resultado será expressivo. É imprescindível toda e qualquer ação de boa-fé em prol dos mais necessitados.
A caridade é mais gratificante para quem a pratica do que para quem a recebe. Infelizmente o ser humano de maneira geral é pouco generoso, inclusive eu. Não é fácil superarmos as barreiras do egoísmo e da falta de caridade, se assim fosse, não haveria fome no mundo. Partilhar é dom de Deus, peçamos a Ele este dom.
“Se deres do teu pão ao faminto, se alimentares os pobres, tua luz levantar-se-á na escuridão, e tua noite resplandecerá como o dia pleno” (Isaías, 58, 10).
Jeandré C. Castelon
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Artigos'

Brasil rejeita os extremismos: nem Bolsonaro nem Boulos

A paz esteja convosco. Sou Eu mesmo!

Coerência na política econômica

Depois de três anos de austeridade fiscal, nenhum motivo para comemoração

Cúpula das Américas: uma oportunidade perdida

Com prisão de Lula e restrição do foro, políticos correm para reforçar blindagem

Felizes os que creem sem ter visto!

E depois de Lula? Depois dele, que venham também os outros

O Brasil está à beira de um ataque de loucura?

Ou renasce das cinzas ou volta do coma

Mais Destaques
"ultrapassamos os 13 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo em 3 anos. Aqui sua propaganda, propaga - 45 9.91339499"
(Leitores)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)