Artigos

Veja por que liminar contra aumento de combustíveis pode cair

| 26/07/2017 - 21:50

Entenda, ou tente, confusão. Vamos ver o que fará a Justiça em tempos em que o alarido se sobrepõe à questão técnica e quando os juízes não resistem, ora vejam, a responder ao próprio presidente da República em sua decisão
Por: Reinaldo Azevedo
Qual é o argumento central do juiz federal substituto da 20ª Vara Federal do Distrito Federal, Renato Borelli, que suspendeu por meio de uma liminar os efeitos do decreto que elevou o PIS/Cofins sobre o preço dos combustíveis? Ele argumenta que a decisão agride o princípio da noventena, que prevê um prazo de 90 dias entre a decisão de elevar um imposto e o efetivo aumento do tributo.
Existe essa previsão legal? Sim! Ela é aplicada em qualquer caso? Não!
O segredo está no Inciso III do Parágrafo 2º do Artigo 149 da Constituição, que transcrevo:
§ 2º As contribuições sociais e de intervenção no domínio econômico de que trata o caput deste artigo:
(…)
III – III – poderão ter alíquotas: (Incluído pela Emenda Constitucional nº 33, de 2001):
a) ad valorem, tendo por base o faturamento, a receita bruta ou o valor da operação e, no caso de importação, o valor aduaneiro; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 33, de 2001)
b) específica, tendo por base a unidade de medida adotada.
A “alíquota ad valorem” quer dizer “conforme o valor”. A “específica”, também chamada de “ad rem” (conforme a coisa), estabelece um valor fixo de tributação segundo uma unidade. No caso dos combustíveis, é um valor fixo cobrado por litro.
Atenção! A “alíquota específica” é um regime especial, de exceção tributária. E as empresas da área de combustíveis estão nele por opção — opção pelo valor menor: pagam menos.
Jornais, sites e portais trazem hoje uma fala de Henrique Meirelles que é incompreensível sem a explicação que vai aqui. Disse ele:
“A interpretação da AGU é a de que, neste caso específico, onde os contribuintes que pagam neste regime optaram por este regime [ele está se referindo às empresas de combustíveis], não depende de noventena para combustíveis e pode sim ser determinada pelo presidente da República através de decreto”.
Ou seja: a noventena se aplicaria quando o contribuinte não tem saída, e a elevação de alíquota não lhe deixa opção. No caso em questão, as empresas poderiam pedir para entrar no regime geral de tributação, o da alíquota “ad valorem”, mas não o farão porque, mesmo depois da elevação do PIS/Cofins, pagariam mais imposto.
Isso tudo faz sentido? Faz.
Mas não é de fácil digestão para quem paga mais para encher o tanque, certo?
O juiz passou pelo Artigo 149 da Constituição para chegar ao 150, onde, com efeito, se lê, na alínea “C” do Inciso III, que só se pode aplicar a elevação do tributo 90 dias depois de publicada a lei que o majorou. Mas, com efeito, parece que tal exigência não faz sentido quando as empresas estão, por opção, num regime especial.
Vamos ver o que fará a Justiça em tempos em que o alarido se sobrepõe à questão técnica e quando os juízes não resistem, ora vejam, a responder ao próprio presidente da República em sua decisão, como fez Renato Borelli. Lemos em sua sentença:
Assim, a população pode até compreender o aumento dos combustíveis, mas que seja um aumento pautado em princípios básicos do texto Maior, e, acima de tudo, responsável, pois “o poder de taxar não é o poder de destruir”
Como se sabe, Temer havia dito que a população compreenderia a necessidade da medida. O juiz resolveu até emprestar à sua contraposição um certo tom condoreiro.
E não perdeu a chance de estabelecer o nexo entre a bomba de gasolina e os direitos humanos:
“Não pode o Governo Federal, portanto, sob a justificativa da arrecadação, violar a Constituição Federal, isto é, violar os princípios constitucionais, que são os instrumentos dos Direitos Humanos.”
Vamos ver. O governo tem base jurídica para vencer o embate. Mas é claro que se trata de um desgaste a mais. De resto, como se vê, governar não anda tarefa fácil — e a dificuldade será crescente.
Setores do Judiciário e do Ministério Público evidenciam, cada vez mais, o desejo de tomar o lugar do Executivo.
Em nome dos direitos humanos, é claro!
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Artigos'

A fadiga democrática

As ovelhas escutarão a minha voz e haverá um só rebanho e um só Pastor

Brasil rejeita os extremismos: nem Bolsonaro nem Boulos

A paz esteja convosco. Sou Eu mesmo!

Coerência na política econômica

Depois de três anos de austeridade fiscal, nenhum motivo para comemoração

Cúpula das Américas: uma oportunidade perdida

Felizes os que creem sem ter visto!

Com prisão de Lula e restrição do foro, políticos correm para reforçar blindagem

E depois de Lula? Depois dele, que venham também os outros

Mais Destaques

Geral

Acordos da CGU podem devolver R$ 10 bilhões aos cofres públicos

Cidade

Conselho do Plano Diretor discute pautas da Câmara

Política

PP é um dos partidos mais investigados na Lava Jato

Regional

Prefeitura de Marechal Rondon abre inscrições para Teste Seletivo Simplificado

Esporte

Paraná Clube vai enfrentar um adversário em crise

AgroGazeta

Agricultura coroada de êxitos e de ciência

Cultura

Toledo recebe hoje Projeto Integrado de Música e Dança

Gente X Poder

Elogios para atendimento na UPA

"ultrapassamos os 13 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo em 3 anos. Aqui sua propaganda, propaga - 45 9.91339499"
(Leitores)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)