Opinião

O “não dito” como fator de risco no processo de sucessão e governança

| 27/07/2017 - 21:10

O “não dito” dentro de um grupo, seja familiar ou não, opera como algo que mantém os conflitos nas relações entre família, negócio e patrimônio. De acordo com Imber-Black (2002), os conteúdos dos segredos pesam de formas diferentes para diferentes famílias e, geralmente derivam de uma cultura familiar. Sendo assim, mudar ou manter o peso que guarda o segredo, consequentemente, resulta numa mudança de cultura familiar.
O sistema da empresa familiar é composto por configurações grupais em que seus indivíduos participam com diferentes papeis, influenciando-se mutuamente ao redor de um objetivo comum. Tal relação por sua vez é atravessada por inúmeras formas de comunicação, sendo essas efetivas ou não.
Ao desenvolver o processo de sucessão e governança como consultores externos, nos colocamos na posição de estranho entrando nestes sistemas complexos. Tal papel dentro do grupo caracteriza um sujeito que precisa lidar com a dualidade da vinculação com a família. Ao mesmo tempo em que se coloca muito próximo e de maneira confiável, precisa manter-se a alguma distância para avaliar os aspectos saudáveis e não saudáveis das relações.
Através da prática e reforço de um dos pilares da governança, a comunicação, exercitamos as diferentes formas de se comunicar entre aqueles que participam do núcleo trabalhado. Para ter um negócio bem-sucedido, no sentido literal de “boa sucessão”, a transparência com os números do negócio e com as relações familiares que o atravessam, torna-se imprescindível para que haja o entendimento entre sucessores e sucedidos. O processo sucessório, por sua vez, exige de seus participantes uma comunicação clara das expectativas que movem e moveram o negócio.
Sendo assim, a arte de comunicar-se de forma eficaz e concisa traz a luz a prática do como comunicar-se de forma eficiente, gerando um fluxo de informações recebidas e entendidas para emissores e receptores. No processo de sucessão, onde já existe a definição de sucessor, gerenciamos duas forças tensionais (sucedido e sucessor) que na maioria das vezes carrega uma dificuldade de comunicação devido a diferença entre gerações. Para tanto, faz-se necessário o entendimento dos ruídos de comunicação bem como a inserção dos segredos vinculados ao negócio para que haja clareza nos papeis a serem assumidos perante a empresa e a família.
Para gerenciar uma empresa familiar é preciso que haja uma definição transparente dos objetivos que a empresa pretende atingir. Logo, a Safras & Cifras, pelos seus quase 30 anos atuando com empresas rurais familiares de todo o país, destaca que é necessária uma reorganização grupal para que seus objetivos sejam concretizados, definindo papeis, atribuições e responsabilidades que geram fluxos de informações acessíveis a todos.
Por Paula Secchi Rohde e Sophia Pilar Soares da Silva
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Opinião'

Das três perguntas feitas á administração* de Toledo e que ainda estão sem respostas, vamos engrossa

A velha política

Três perguntas aos gestores de Toledo, se é que podem me responder?

Xadrez Político: A necessária troca do tabuleiro

Imediatamente deixaram tudo e seguiram Jesus

Três perguntas aos gestores de Toledo, se é que podem me responder?

Os reflexos da violência na sociedade

Voos que não vêm!

Pela trilha do século passado

Beto Richa cancela vinda a Toledo

Mais Destaques

Política

Porto Alegre vive clima de apreensão com julgamento de Lula

AgroGazeta

Matéria prima com origem gera alimentos com qualidade

Variedades e Gente

Material escolar também pode estimular a criatividade e organização nos estudos

Cidade

Municípios receberão R$ 6,6 bi da participação no ICMS em 2018

Segurança

BPFron apreende 35 pistolas, 51 carregadores e oito mil munições

Geral

Prosperidade de bilionários impulsiona grande desigualdade global

Esporte

Toledo enfrenta o Foz hoje

Cultura

Dia de festa para um dos grandes violonistas do país

"Dirigiu bêbado e foi pego, ANOTE AI: é crime sem fiança! A pena mínima é de CINCO ANOS de reclusão, perde a careteira de motorista definitivamente e essa pena NÃO se pode converter mais em prestação de serviços, ou seja, vai ficar PRESO! "
(Governo Federal)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)