Opinião

Duas mulheres à frente da Justiça no Brasil

| 26/09/2017 - 21:30

Pela primeira vez no Brasil, e em um dos seus momentos históricos mais críticos, duas mulheres estão à frente da Justiça: Raquel Dodge, que acaba de tomar posse como procuradora-geral da República e Cármen Lúcia, a primeira mulher a presidir o Supremo Tribunal Federal.
A Justiça, desde a Grécia Antiga – onde era uma deusa – até hoje, sempre foi simbolizada por uma mulher com uma balança em uma mão, símbolo da equidade, e uma espada na outra, com que aplica o castigo. E com os olhos vendados, para expressar sua imparcialidade.
O vendaval da corrupção político-empresarial que assola o Brasil colocou o exercício da Justiça no centro da atenção da sociedade e seus tribunais na posição mais destacada.
A conjunção de duas mulheres assumindo a máxima autoridade judicial neste momento não deixará de ter repercussão já que, se existe uma instituição dominada pelos homens, é a Justiça e seus tribunais.
Mudará algo na Justiça do Brasil esse forte componente feminino no topo da pirâmide? Até que ponto a influência masculina que domina a Justiça permitirá a essas duas mulheres expressar-se com toda a riqueza de suas personalidades?
A presença feminina na vida pública brasileira é quase testemunhal. No Congresso, só 10% são mulheres e, às vezes, para se defender do domínio masculino, caem na tentação de se esquecerem de ser mulheres para imitar os homens.
Mudará com as duas mulheres o modo de fazer justiça no Brasil impedindo que se politizem os tribunais ou que se justicialize a política? O desafio não é fácil nem pequeno, mas, se for vencido, pode ser um momento de liberação e de equilíbrio entre as instituições. Daí a curiosidade em uns e o medo em outros para saber que caminhos vão tomar essas duas mulheres e até que ponto saberão livrar-se da “proteção” que vão querer lhes oferecer os homens dado que, no subconsciente masculino, a mulher, mesmo no topo do poder, precisaria ser monitorada pelos homens.
Sem dúvida, tudo dependerá da personalidade de Raquel e Cármen Lúcia, de serem capazes de imprimir seu selo à Justiça em um de seus momentos históricos mais delicados e turbulentos, com toda uma classe política acusada de ilegalidade e em busca de mecanismos legislativos para salvar a própria pele e sair ilesa do incêndio.
Por isso os olhos da sociedade estão voltados para a biografia dessas duas mulheres no comando do mundo judicial. Talvez o mais positivo de ambas seja que nenhuma delas aparece como protagonista ou populista, mas como executivas sérias e respeitadas em seu campo, com biografia sem sombras. Se lhes falta biografia de novela, mostram, por outro lado, sobejo preparo jurídico e acadêmico. A nova procuradora Dodge doutorou-se em Direito na Universidade de Brasília e se especializou em Direitos Humanos na renomada Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, a mesma em que se formou o juiz Moro, paladino da Lava Jato.
O que a sociedade pede hoje às duas mulheres à frente da Justiça é que se limitem a seu papel profissional sem querer invadir a esfera da política, e que sejam capazes de atuar atendo-se estritamente aos cânones do Direito.
Ambas, Dodge e Cármen Lúcia são reconhecidas como mulheres valentes, discretas, pouco propensas a oferecer carne de polêmica aos meios de comunicação e com grande sensibilidade na defesa das minorias e na luta contra a corrupção. Cármen Lúcia chegou a dizer que, na política brasileira, “o cinismo venceu a esperança”, e Dodge já foi ameaçada de morte por grupos de extermínio contra os indígenas e combateu o trabalho escravo. Seu lema é que a Justiça deve ser “rápida”. É uma crítica à lentidão dos processos que acaba favorecendo os poderosos incriminados e punindo, ao mesmo tempo, os presos comuns esquecidos no inferno dos presídios.
Se Cármen Lúcia e Dodge forem capazes de fazer que o exercício da Justiça seja igual para todos, sem classes privilegiadas, e corrigir eventuais abusos na nobre guerra da Lava Jato contra a corrupção a fim de evitar que desvios da lei possam ofuscar sua eficácia, já terão dado uma contribuição à Justiça que vive momentos tensos e perigosos.
Nos evangelhos há uma cena em que os fariseus tentam fazer Jesus cair em uma armadilha. Perguntam a ele se é justo pagar tributos. O profeta lhes mostra uma moeda com a efígie de César e diz: “Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”. Se Cármen Lúcia e Dodge conseguirem, apesar de todas as pressões que sofrerão por parte dos corruptos, dar à Justiça o que lhe exige o Direito, deixando a política aos políticos, terão contribuído não só para pacificar o país, como também para enobrecer a Justiça devolvendo a ela o papel que lhe outorga a Constituição.
Juan Arias
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Opinião'

Brasil rejeita os extremismos: nem Bolsonaro nem Boulos

Uso da máquina

O lixo, os cemitérios e a dengue

Monitorados sim ou não?

A paz esteja convosco. Sou Eu mesmo!

Hospital Regional ou Municipal?

Coerência na política econômica

Assédios

BINGO! Atingiu R$ 2.372 milhões de prejuízos na EMDUR

Depois de três anos de austeridade fiscal, nenhum motivo para comemoração

Mais Destaques
"ultrapassamos os 13 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo em 3 anos. Aqui sua propaganda, propaga - 45 9.91339499"
(Leitores)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)