Artigos

Eu vos dei o exemplo, para que façais o que eu fiz

| 27/10/2017 - 21:10

Eu vos dei o exemplo, para que façais o que eu fiz

O Evangelho deste domingo nos leva novamente a Jerusalém e podemos acompanhar Jesus revelando o plano salvador de Deus que se realizará na cruz através de sua morte e ressurreição. Os líderes religiosos não acreditam em Jesus e buscam, de todo modo, um meio de condená-lo através de armadilhas e ciladas. Hoje, um fariseu, conhecedor das escrituras e da Lei, aproxima-se de Jesus e pede que lhe diga qual é o maior mandamento da Lei.
Jesus sabe que é uma armadilha, mas não se esquiva e responde unindo de modo indissolúvel dois mandamentos: amor a Deus e amor ao próximo. Ensina que não se pode separar o amor a Deus do amor ao próximo. Assim, na perspectiva de Jesus, “amor a Deus” e “amor aos irmãos” estão intimamente associados. Não são dois mandamentos diversos, mas duas faces da mesma moeda. “Amar a Deus” é cumprir o seu projeto de amor, que se concretiza na solidariedade, na partilha, no serviço, no dom da vida aos irmãos. Foi assim que Jesus viveu a sua vida: procurando discernir a vontade do Pai e cumpri-la com fidelidade e amor. “Amar a Deus” é pois, na perspectiva de Jesus, estar atento ao projeto do Pai e procurar concretizar, na vida do dia a dia, os seus planos. Ora, na vida de Jesus, o cumprimento da vontade do Pai passa por fazer da vida uma entrega de amor aos irmãos, se necessário até ao dom total de si mesmo.
Amamos Deus amando os outros como Ele ama. O amor pelos outros é o que torna verdadeiro o nosso amor para Deus, é o único sinal revelador de somos discípulos de Jesus. Ele afirmou claramente: “Nisso conhecerão que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns pelos outros” (Jo 13, 35); é o amor que coloca em prática “o mandamento novo”, último e definitivo, deixado por Jesus: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”. Jesus realizou a vontade do Pai: “Porque não desci para fazer a minha vontade, e sim a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum dos que me confiou, mas os ressuscite no último dia” (Jo 6, 38-39).
Amar ao próximo é prestar atenção em cada ser humano que passa pela nossa vida, procurando ser solidário com todos, respeitando as diferenças de cada um. Partilhar alegrias e sofrimentos, desilusões e esperanças, fazer da vida um dom. O mundo em que vivemos precisa redescobrir o amor, a solidariedade, o serviço, a partilha, o dom da vida. Estamos vendo aumentar cada vez mais a intolerância em todos os níveis. Pessoas matam por um briga de trânsito, uma vaga no estacionamento, um relacionamento desfeito. Parece que ninguém pode ser contrariado. Por isso o mandamento de Jesus continua atual. “Se Deus nos amou tanto, também nós devemos amar-nos uns aos outros. Ninguém jamais viu a Deus: se os amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós, e ao amor de Deus está consumado em nós: Deus é amor... Se alguém diz que ama a Deus, mas odeia seu o próprio irmão, mente; pois se não ama o irmão a quem vê, não pode amar a Deus a quem não vê” (1Jo, 4).
O amor a Deus e ao próximo se torna, em Jesus Cristo, um modo de viver. Somente amando podemos ser verdadeira e profundamente felizes e cristãos. O amor a Deus e ao próximo é uma força de vida que nos faz viver uma Páscoa permanente da saída do eu para a entrega generosa, gratuita, a Deus e ao próximo.
Dom João Carlos Seneme, css
Bispo de Toledo
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Artigos'

A velha política

Xadrez Político: A necessária troca do tabuleiro

Imediatamente deixaram tudo e seguiram Jesus

Os reflexos da violência na sociedade

Pela trilha do século passado

Brasil: a imperfeita separação dos poderes

“Mestre, onde moras? Vinde e vede”. E permaneceram com Ele

Ministra Cristiane Brasil, berço e judicialização como retrato da política do país

Complexo do colonizado

O ensinamento de Jesus liberta e salva

Mais Destaques

Segurança

BPFron apreende 35 pistolas, 51 carregadores e oito mil munições

Esporte

Toledo enfrenta o Foz hoje

Gente X Poder

Das três perguntas feitas á administração* de Toledo e que ainda estão sem respostas, vamos engrossa

AgroGazeta

Matéria prima com origem gera alimentos com qualidade

Cidade

Municípios receberão R$ 6,6 bi da participação no ICMS em 2018

Cultura

Dia de festa para um dos grandes violonistas do país

Política

Porto Alegre vive clima de apreensão com julgamento de Lula

Variedades e Gente

Material escolar também pode estimular a criatividade e organização nos estudos

"Dirigiu bêbado e foi pego, ANOTE AI: é crime sem fiança! A pena mínima é de CINCO ANOS de reclusão, perde a careteira de motorista definitivamente e essa pena NÃO se pode converter mais em prestação de serviços, ou seja, vai ficar PRESO! "
(Governo Federal)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)