Política

Condenado no mensalão, Henrique Pizzolato deixa a cadeia

| 28/12/2017 - 21:45

Condenado no mensalão, Henrique Pizzolato deixa a cadeia

Condenado no processo do mensalão do PT, o ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato deixou a cadeia na tarde desta quinta-feira (28).
Por volta das 14h, ele chegou à Vara de Execuções Penais (VEP) do Distrito Federal para participar de uma audiência. Depois, seguiu de camburão para o Centro de Progressão Penitenciária (CPP), para assinar o termo de soltura.
Nesta quarta (27), o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu o chamado livramento condicional a Pizzolato.
De acordo com o ministro, Pizzolato cumpriu os requisitos da lei para obter o benefício: cumprimento de mais de um terço da pena, não ser reincidente em crime doloso, bom comportamento durante o período em que esteve preso e bons antecedentes, entre outros.
Com o livramento condicional, ele poderá deixar a cadeia, mas terá de cumprir algumas determinações para poder permanecer em liberdade.
Para permanecer em liberdade, por exemplo, ele precisará pagar mensalmente as parcelas da multa de mais de R$ 2 milhões, estabelecida em sua condenação.
Além disso, a Vara de Execuções Penais do Distrito Federal determinou que Pizzolato terá de permanecer em Brasília, e só poderá viajar com autorização prévia da Justiça. Ele também deverá se apresentar à VEP de dois em dois meses.
Caso Pizzolato descumpra qualquer determinação, ele poderá perder o benefício de livramento condicional e terá de voltar à cadeia.
Relembre o caso
Henrique Pizzolato foi condenado a 12 anos e 7 meses de prisão pelos crimes de formação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro no âmbito do mensalão do PT. Ele fugiu do Brasil em novembro de 2013para não ser preso e, na fuga, usou documentos do irmão morto.
Pizzolato acabou preso em Maranello, na Itália, em fevereiro de 2014 – ele tem cidadania italiana. A extradição foi autorizada em setembro de 2015.
Desde maio desse ano, está preso em regime semiaberto, no qual é possível deixar o presídio durante o dia para trabalhar.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Política'

Caixa aprova novo estatuto que limita indicações políticas para cargos de direção

Procurador não vê motivos para pedir prisão de Lula, diz MPF

Ato em Defesa da Justiça já está confirmado em 42 cidades brasileiras

Defesa de Temer entrega ao STF respostas a questionamentos da PF

Provas claras ou ilação? Assim será a batalha judicial sobre Lula

MPF pede 386 anos de prisão para Cunha e 78 para Henrique Eduardo Alves

A semana em que as primeiras pedras atingiram a vidraça de Jair Bolsonaro

Presidente do TRF e do STF tratam da segurança do julgamento de Lula

Janot presta depoimento à PF em investigação sobre delação da J&F

Pobres contra o aborto, ricos a favor das armas

Mais Destaques
"Dirigiu bêbado e foi pego, ANOTE AI: é crime sem fiança! A pena mínima é de CINCO ANOS de reclusão, perde a careteira de motorista definitivamente e essa pena NÃO se pode converter mais em prestação de serviços, ou seja, vai ficar PRESO! "
(Governo Federal)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)