Artigos

Ciranda da chuva e dos saberes

| 26/11/2014 - 00:01

Nei Alberto Pies*
Dia 06 de novembro de 2014, chovia na praça central de nossa cidade. Os livreiros, autores e leitores faziam esforço enorme para não serem abalroados pela intensa chuva de final de tarde. Os livros, sujeitos com vida preciosa e frágil, precisavam de muitos cuidados para não molhar. Outros sujeitos, professores, fizeram um grande esforço para estar na terceira Ciranda dos Saberes, uma obra do CMP (Centro Municipal de Professores) de Passo Fundo. Chovia muito, por isso esta foi uma Ciranda da Chuva.
O tema da Ciranda era o Cuidado. A pergunta: Por que cuidar?
Sueli Frosi, uma conhecida cirandeira, escritora e participante da Escola de Pais do Brasil há 51 anos, resolveu contar parte de sua história, acompanhado por seu querido esposo Mingo. Uma história de uma mulher cuidadora que aprendeu, por experiência, que ninguém cuida se não a pessoa inteira. Por isso, começou dizendo; “crianças precisam, fundamentalmente, amor e segurança. Professores que não são cuidados não conseguem cuidar de outros”.
Como boa perguntadeira, disparou: “O que a sociedade tem para dar para a escola na perspectiva do cuidado, da compaixão e da alteridade dos outros”?
Contou que trabalhou, por muitos anos, no Comitê de Valorização da Família, um grupo de apoio às escolas, organizado por entidades, Ministério Público e Judiciário. Desta experiência, relatou a percepção sua de que os professores precisam ser ajudados. Relatou como é importante pensar estratégias para a gente se fortalecer e se ajudar. Lembrou, com provocação, que os pais são cidadãos e precisam ser apoiados e amparados diante dos desafios imensos de educar seus filhos hoje. Estão pedindo ajuda e reclamando compreensão deste mundo difícil e complicado.
Cuidar, na sua concepção, é respeito e consideração com o outro. Quem não cuida e não é cuidado, desumaniza-se! Por outro lado, assumir toda a carga e responsabilidade pelo cuidado, torna os professores doentes e desanimados.
Sua fala mais provocadora e envolvente foi a de que “o professor não pode ser preconceituoso e deve ter espírito aberto”. Muitos questionamentos vieram à tona. Como não ser preconceituoso numa sociedade altamente preconceituosa? Não seria culpabilizar o professor, não permitindo ao mesmo nenhuma forma de preconceito? Existem professores preconceituosos? Como evitar os preconceitos da gente? Quem ainda é uma referência de vida e de atitudes para os estudantes não pode ter nenhum preconceito.
Nem todo debate e troca de saberes gera respostas ou verdades, até porque elas não existem, definitivamente. Por isso mesmo, o debate não esgotou, mas apontou a importância da escola educar e ensinar, em tempos em que os estudantes passam muito tempo na escola e menos tempo com seus pais ou familiares.
Fica sua profecia, cirandeira Sueli Frosi: “a primeira vez, em nossa evolução de humanidade, estamos aprendendo e nos relacionando com amor”. O amor e a compaixão são a base do cuidado. Deixemo-nos envolver se quisermos nos humanizar.
* O autor é professor. Email: pies.neialberto@gmail.com
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Artigos'

Eu creio, Senhor, mas aumentai a minha fé

Eles entraram no sepulcro, viram e acreditaram: Cristo Ressuscitou

Família e escola: uma parceria fundamental

Quo Vadis UnB

Jesus morreu na cruz para nos dar vida em plenitude

Profissão professor

Mais pobreza

A VIA PARLAMENTARISTA

A dignidade restituída e a esperança renovada

Os robôs estão chegando!

Mais Destaques
"Já foram 19 milhões que acessaram o site do Jornal Gazeta de Toledo- ISENÇÃO E VERDADE!"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)