Geral

Economia cresce 0,1% no terceiro trimestre

| 29/11/2014 - 00:01

O Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, cresceu 0,1% no terceiro trimestre deste ano, na comparação com o trimestre anterior. A expansão no trimestre correspondeu a R$ 1,29 trilhão e o crescimento positivo, embora pequeno, marca o afastamento da recessão, a qual tecnicamente se caracterizaria no caso de dois resultados trimestrais negativos no PIB. No segundo trimestre, a economia brasileira havia caído 0,6% e no primeiro o PIB revisado caiu 0,2%. Os dados foram divulgados ontem (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Na comparação com o mesmo trimestre do ano passado, a economia brasileira recuou 0,2%. No ano, o PIB acumula alta de 0,2%. Já no período de 12 meses, a taxa acumulada de crescimento é de 0,7%.
O Ministério da Fazenda avalia que o aumento de 0,1% do PIB no terceiro trimestre mostra que a economia entrou em processo de retomada do crescimento econômico, embora em ritmo ainda modesto. O Ministério destacou também, por meio de nota, a expansão de 1,7% da indústria e 1,3% dos investimentos.
“Os indicadores antecedentes e coincidentes sinalizam a continuidade dessa trajetória de melhora no quarto trimestre. A retomada do investimento é fundamental para que o crescimento econômico se acelere e tenha sustentação ao longo do tempo”, informa a nota.
Outro destaque, informou o Ministério, é que a queda de 1,9% na agricultura no terceiro trimestre foi provocada basicamente pela seca prolongada, que afetou importantes culturas, como cana-de-açúcar e café.
Na avaliação do Ministério, é importante mencionar que a demanda interna mostrou enfraquecimento no terceiro trimestre, situação expressa na queda de 0,3% do consumo das famílias, que reflete a escassez de crédito em um ambiente de restrição monetária para combater a inflação. “É importante destacar que o crédito começa a dar sinais de melhora, mas ainda está aquém do necessário para levar a taxa de crescimento do consumo das famílias para uma situação de normalidade”.
Outro destaque na nota é para o baixo desemprego no país, com a menor taxa de desemprego da série histórica, 4,7% em outubro, e para a continuidade do aumento da renda dos trabalhadores. Para o Ministério, isso significa que a massa salarial continuou crescendo, mas o desempenho do mercado interno tem sido contido pela falta de crédito.
“O bem sucedido desempenho do mercado de trabalho brasileiro é resultado da estratégia de política econômica anticíclica, que mitigou os impactos da desaceleração econômica mundial e doméstica sobre os trabalhadores”, diz a nota.
O ministério destaca ainda que a economia brasileira apresenta fundamentos macroeconômicos sólidos e tem todas as condições para apresentar no quarto trimestre e em 2015 um crescimento mais intenso, garantindo e ampliando as conquistas da população brasileira, em especial para a população trabalhadora e de menor renda.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Geral'

Brasil pode barrar peste suína

Cientistas desenvolvem protocolo para testar resistência de couros de peixes

Embrapa lança plataforma e firma parcerias para impulsionar a agricultura digital

Contribuintes têm até hoje para entregar Imposto de Renda

Peste Suína x demanda por soja: Batalha deve durar anos e impactar preços

Agrotóxicos encurtam vida e mudam comportamento das abelhas

Bolsonaro extingue horário de verão

Educação divulga resultado da consulta sobre material didático

Transformação artesanal de banana é tema de curso na região Oeste do Paraná

Ministro do Meio Ambiente discute cooperação em saneamento rural com a Embrapa

Mais Destaques
"Já foram 19 milhões que acessaram o site do Jornal Gazeta de Toledo- ISENÇÃO E VERDADE!"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)