Artigos

A crise do etanol, a economia e o meio ambiente

| 23/12/2014 - 00:01

Dilceu Sperafico*
A crise enfrentada pelos produtores de etanol, a pior dos últimos 30 anos, não atinge apenas os usineiros, plantadores de cana-de-açúcar e trabalhadores do setor.
As dificuldades também afetam, em menor ou maior proporção, ao agronegócio, à economia nacional, à preservação ambiental e a qualidade do ar nas grandes cidades.
Conforme levantamentos de consultorias especializadas, a crise decorrente do endividamento do setor iniciou em 2006, quando se acreditava que o biocombustível iria substituir os derivados do petróleo, por razões estratégicas, econômicas e ambientais.
Desde então, no entanto, os custos de produção só aumentaram, enquanto o preço final do etanol foi reduzido.
Com isso, só no Estado de São Paulo, que concentra cerca de 60% da produção de cana-de-açúcar e do biocombustível do País, 26 usinas encerraram suas atividades nos últimos quatro anos.
Isso porque a situação se agravou em 2008, quando a crise financeira internacional reduziu a oferta de crédito para as empresas, incluindo as usinas brasileiras.
A falta de financiamentos, aliada aos problemas de gestão de parte das empresas e ao congelamento dos preços da gasolina, reduziram a competitividade do etanol e afetaram gravemente as usinas nacionais.
O contraditório é que o preço do petróleo também caiu, apesar do crescimento da frota de veículos automotores em todo o planeta.
Como os maiores importadores mundiais de petróleo, como os Estados Unidos, elevaram a produção e reduziram as compras, o setor petrolífero também passou a enfrentar dificuldades, agravadas pelas restrições ambientais aos combustíveis fósseis e o aumento da geração de energias renováveis.
Diante do impasse, não há esperanças de recuperação do setor sucroalcooleiro nacional no curto prazo, apesar do consumo de etanol reduzir muito a emissão de poluentes, que contribuem para o aquecimento global e prejudicam a qualidade de vida da população, especialmente nas grandes cidades.
Com isso, cidades como Sertãozinho, em São Paulo, um dos principais centros de tecnologia e produção de álcool e açúcar do Brasil, que apresentava crescimento de 10% ao ano até 2006, hoje amarga o fechamento de duas e o processo de recuperação judicial de uma terceira, das sete usinas do município.
Sem encomendas das indústrias de etanol, 500 metalúrgicas fecharam10 mil postos de trabalho na cidade, após a redução do faturamento pela metade.
Com a crise, Sertãozinho, caiu do 4º para o 54º lugar no índice Firjan de desenvolvimento, que mede a qualidade de emprego, renda, saúde e educação entre cinco mil municípios brasileiros.
A situação é tão grave, que também afeta os cerca de dois mil pequenos produtores de cana-de-açúcar, que fornecem o produto às usinas do município.
Para complicar ainda mais o cenário do setor, a grande estiagem deste ano ainda reduziu em mais de 20% a produtividade de cana-de-açúcar em São Paulo, que caiu de até 90 toneladas por hectare para 70 toneladas.
Com menos matéria-prima disponível, usinas de etanol anteciparam o encerramento da safra, de novembro para outubro.
Em conseqüência, empresas do setor estão vendendo ou arrendando parte de suas terras para grupos internacionais, como alternativa ao endividamento.
Para começar reverter o quadro, o setor espera que o governo eleve de 25% para 27,5% a adição de etanol na gasolina em 2015, aumentando a demanda em do produto em 1,2 bilhão de litros.
*O autor é deputado federal pelo Paraná. E-mail: dep.dilceusperafico@camara.leg.br
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Artigos'

Jesus viu uma grande multidão e teve compaixão

Sustentabilidade e reeducação

Uma abertura comercial inteligente

Eles estão surdos

O Poder e o Povo

Uma agenda a favor do Brasil

Aeroportos: Muito na frente de nosso tempo

A ameaça do “não voto”

Contratação de refugiados pode ser vantagem competitiva para os negócios

Jesus enviou os apóstolos em missão

Mais Destaques
"Chegamos ao 15 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)