Geral

Missão parlamentar do Irã quer mais alimentos do Brasil

| 29/10/2015 - 02:01

Integrantes da Comissão de Agricultura da Assembleia Consultiva Islâmica do Irã estiveram nessa terça-feira (27) com a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu, e solicitaram cooperação brasileira para atender à crescente demanda por alimentos naquele país. Os deputados iranianos também mostraram interesse em firmar parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) para intercâmbio de profissionais e pesquisa em vacinas e produtos transgênicos.
O presidente da comissão, deputado Abas Rajaei, disse que a República Islâmica do Irã prevê que em 20 anos sua população passará dos 80 milhões atuais para 150 milhões, e o crescimento será acompanhado por aumento da produção própria e da importação de alimentos. A reunião com a ministra da Agricultura foi acompanhada pelo embaixador do Irã no Brasil, Mohammad Ali Ghanezadeh, e pelo deputado federal Wadson Ribeiro (PCdoB-MG).
De acordo com Rajaei, os iranianos consomem diariamente, em média, 29 gramas de proteína, e o governo pretende dobrar esse consumo em 15 anos, o que poderá significar grandes oportunidades de negócios para o Brasil, que é o principal fornecedor de carne bovina para o Irã.
Segundo Rajaei, Brasil e Irã têm tido boa colaboração nos últimos anos, e “desejamos que se desenvolva ainda mais”. Ele ressaltou que apesar de países mais próximos ao Irã, geograficamente, como Cazaquistão, Ucrânia e Austrália, que podem oferecer os produtos agrícolas necessários, “queremos continuar nosso bom relacionamento comercial com o país amigo que é o Brasil”.
A ministra disse que o Brasil está pronto para ampliar as exportações de carne bovina. Kátia Abreu disse ainda que os produtores brasileiros têm amplas condições de cumprir as exigências do abate halal (forma como os animais devem ser abatidos para consumo dos muçulmanos).
Quanto à intenção de parceria com a Embrapa, a ministra também manifestou apoio. “Em 40 anos fizemos uma verdadeira revolução verde. Segundo ela, o Brasil passou de importador de alimentos para a maior agricultura tropical do planeta e a Embrapa é parte importante dessa mudança, pois gerou muito conhecimento.
A missão iraniana faz parte da estratégia de aumento do comércio bilateral, atualmente favorável ao Brasil, que no ano passado exportou US$ 1,4 bilhão para o Irã e importou apenas US$ 5 milhões em produtos daquele país. O Brasil vendeu principalmente milho em grão (60,9%), carne bovina (19%), farelo de soja (7,1%) e açúcar (6,7%), enquanto as compras maiores foram de uvas (31,6%), polímeros plásticos (29%) e objetos de vidro para uso doméstico (7,6%).
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Geral'

Brasil pode barrar peste suína

Cientistas desenvolvem protocolo para testar resistência de couros de peixes

Embrapa lança plataforma e firma parcerias para impulsionar a agricultura digital

Contribuintes têm até hoje para entregar Imposto de Renda

Peste Suína x demanda por soja: Batalha deve durar anos e impactar preços

Agrotóxicos encurtam vida e mudam comportamento das abelhas

Bolsonaro extingue horário de verão

Educação divulga resultado da consulta sobre material didático

Transformação artesanal de banana é tema de curso na região Oeste do Paraná

Ministro do Meio Ambiente discute cooperação em saneamento rural com a Embrapa

Mais Destaques
"Já foram 19 milhões que acessaram o site do Jornal Gazeta de Toledo- ISENÇÃO E VERDADE!"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)