Geral

Museu da República reabre quarto onde Getúlio se suicidou

| 24/12/2015 - 00:01

Principal atração do Museu da República, o quarto onde o presidente Getúlio Vargas se suicidou, em 24 de agosto de 1954, foi reaberto no último dia 22 de dezembro à visitação pública. Desde março deste ano, o cômodo estava fechado, assim como todo o terceiro andar do Palácio do Catete, que abriga o museu, devido a problemas no sistema de ar condicionado.
A reabertura foi possível devido a um reparo emergencial no aparelho de ar condicionado do quarto e não se estende ao restante do andar, que nos tempos em que o palácio era a sede do governo republicano abrigava os aposentos dos presidentes e suas famílias. A visita completa ao terceiro piso somente poderá ser retomada depois de uma obra maior, prevista para o próximo ano.
“Nós conseguimos segurar a grelha do ar refrigerado só do quarto do Getúlio para não deixar de atender ao público, principalmente agora, nos meses de janeiro e fevereiro, quando recebemos muitos visitantes de outros estados”, explicou a diretora do Museu da República, Magaly Cabral. Segundo ela, a impossibilidade de ver o aposento onde ocorreu um dos momentos mais dramáticos da história republicana do país vinha deixando frustrada boa parte dos visitantes do museu, entre 65 mil e 70 mil a cada ano.
Magaly Cabral informou que já estão assegurados os recursos para a reforma completa do terceiro andar, que vai compreender, além do sistema de ar condicionado, o telhado e a claraboia do palácio. “A obra vai custar R$ 2 milhões e 800 mil e será feita com o apoio do Iphan [Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional] e verba do PAC [Programa de Aceleração do Crescimento] das Cidades Históricas. Já tem uma empresa contratada fazendo o projeto executivo e até abril esperamos abrir a licitação para a obra”, disse a diretora do museu.
Instalado em um palácio do século 19, o Museu da República, a exemplo de outras instituições culturais, tem grande preocupação com a segurança, em relação ao risco de incêndio. “Estamos tendo orientações constantes do Corpo de Bombeiros, e o Ibram [Instituto Brasileiro de Museus] está desenvolvendo um planejamento de segurança contra incêndios para os museus cariocas”, afirmou Magaly Cabral. A preocupação é que não ocorra o mesmo que no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo.
O Palácio do Catete foi construído entre 1858 e 1867 pelo comerciante e fazendeiro de café Antônio Clemente Pinto, o Barão de Nova Friburgo. Em 1896, foi adquirido pelo governo federal para sediar a Presidência da República, até então instalada no Palácio do Itamaraty.
Sede do Poder Republicano por quase de 64 anos, 18 presidentes utilizaram suas instalações. O último foi Juscelino Kubitschek, que encerrou a era presidencial do palácio, com a transferência da capital para Brasília em 1960. No mesmo ano, o Palácio do Catete passou, por decreto presidencial, a abrigar o Museu da República.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Geral'

Brasil pode barrar peste suína

Cientistas desenvolvem protocolo para testar resistência de couros de peixes

Embrapa lança plataforma e firma parcerias para impulsionar a agricultura digital

Contribuintes têm até hoje para entregar Imposto de Renda

Peste Suína x demanda por soja: Batalha deve durar anos e impactar preços

Agrotóxicos encurtam vida e mudam comportamento das abelhas

Bolsonaro extingue horário de verão

Educação divulga resultado da consulta sobre material didático

Transformação artesanal de banana é tema de curso na região Oeste do Paraná

Ministro do Meio Ambiente discute cooperação em saneamento rural com a Embrapa

Mais Destaques
"Já foram 19 milhões que acessaram o site do Jornal Gazeta de Toledo- ISENÇÃO E VERDADE!"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)