Opinião

Bem-aventurados os que colocam a sua segurança em Deus

| 28/01/2017 - 00:01

Mateus, no seu evangelho, apresenta Jesus e seu projeto de vida. Seu desejo é despertar nos ouvintes a fé e o seguimento de Jesus que veio para revelar o amor de Deus por toda a humanidade.
No início do evangelho, Mateus nos diz quem é Jesus, depois apresenta a sua missão. Hoje ele, através das bem-aventuranças, nos dá a conhecer como Jesus irá realizar a sua missão: com palavras e com gestos, Jesus propõe aos discípulos e às multidões o “Reino”. Para isso ele apresenta o conteúdo de sua mensagem, o Reino dos céus, que provocará reações porque ela subverte a lógica da época.
A mensagem de Jesus não pode ser transformada em um discurso inocente. Ao exaltar os pobres, os humildes, os misericordiosos, os perseguidos, Jesus coloca no centro o que Deus vai realizar através dele. É um conteúdo que provoca questionamentos porque inverte a ordem existente. Os protagonistas do Reino não são os que têm dinheiro, conhecimento e fama, mas aqueles que, aos olhos de todos, são perdedores e falidos.
Desta forma, Jesus declara o paradoxo de Deus e seu Reino: os fracos, os pobres de Deus “porque deles é o Reino dos Céus”. Somente poderão aceitar que Deus participe de sua vida aqueles que não são autossuficientes, que não possuem a segurança do poder do dinheiro para lhes garantir tudo. Para essas pessoas não há lugar para Deus, não há lugar para o próximo. Por isso, Mateus não supervaloriza esta ou aquela condição humana. O que importa não é a condição social ou econômica em que a pessoa se encontra. O que realmente importa é Deus e sua justiça. Os critérios humanos são abandonados e invertidos. Deus mesmo vai se empenhar para mudar o modo como o mundo está estruturado.
Os pobres de Deus são homens reais, que vivem em situação de carência extrema, são marginalizados, sofrem e choram. Mesmo assim são os primeiros a se empenhar na construção da paz, são misericordiosos, esforçam-se em estabelecer uma relação justa com a humanidade e com Deus. Estes são os construtores do mundo novo, as testemunhas do Reino. Porque o Reino dos céus, segundo as bem-aventuranças, corresponde ao pão que partilhamos, à mão que estendemos ao inimigo, ao ato de violência que impedimos, ao sorriso dado.
Hoje o evangelho aborda uma situação difícil nos dias atuais. Este é caminho de Jesus que não se intimidou diante da perseguição e da morte. Por rezemos a Deus que se faz presente na nossa história, que Ele nos ajude, ele que foi manso e humilde de coração, a sermos, nós também, mansos e construtores de paz numa geração que não possui a paz.
Dom João Carlos Seneme, css
Bispo de Toledo
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Opinião'

Corpus Christi

Ironia do ano!

 Advogado confeiteiro

ACIT na berlinda

Foro privilegiado, corruptos e corruptores

Peço desculpas aos moradores em nome do executivo

Batizai-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo

EMDUR – A solução bem a vista

Projeto desmonte

Município com excesso de despesas de pessoal pode contratar professores

Mais Destaques
"Chegamos ao 15 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)