Opinião

O “não dito” como fator de risco no processo de sucessão e governança

| 27/07/2017 - 21:10

O “não dito” dentro de um grupo, seja familiar ou não, opera como algo que mantém os conflitos nas relações entre família, negócio e patrimônio. De acordo com Imber-Black (2002), os conteúdos dos segredos pesam de formas diferentes para diferentes famílias e, geralmente derivam de uma cultura familiar. Sendo assim, mudar ou manter o peso que guarda o segredo, consequentemente, resulta numa mudança de cultura familiar.
O sistema da empresa familiar é composto por configurações grupais em que seus indivíduos participam com diferentes papeis, influenciando-se mutuamente ao redor de um objetivo comum. Tal relação por sua vez é atravessada por inúmeras formas de comunicação, sendo essas efetivas ou não.
Ao desenvolver o processo de sucessão e governança como consultores externos, nos colocamos na posição de estranho entrando nestes sistemas complexos. Tal papel dentro do grupo caracteriza um sujeito que precisa lidar com a dualidade da vinculação com a família. Ao mesmo tempo em que se coloca muito próximo e de maneira confiável, precisa manter-se a alguma distância para avaliar os aspectos saudáveis e não saudáveis das relações.
Através da prática e reforço de um dos pilares da governança, a comunicação, exercitamos as diferentes formas de se comunicar entre aqueles que participam do núcleo trabalhado. Para ter um negócio bem-sucedido, no sentido literal de “boa sucessão”, a transparência com os números do negócio e com as relações familiares que o atravessam, torna-se imprescindível para que haja o entendimento entre sucessores e sucedidos. O processo sucessório, por sua vez, exige de seus participantes uma comunicação clara das expectativas que movem e moveram o negócio.
Sendo assim, a arte de comunicar-se de forma eficaz e concisa traz a luz a prática do como comunicar-se de forma eficiente, gerando um fluxo de informações recebidas e entendidas para emissores e receptores. No processo de sucessão, onde já existe a definição de sucessor, gerenciamos duas forças tensionais (sucedido e sucessor) que na maioria das vezes carrega uma dificuldade de comunicação devido a diferença entre gerações. Para tanto, faz-se necessário o entendimento dos ruídos de comunicação bem como a inserção dos segredos vinculados ao negócio para que haja clareza nos papeis a serem assumidos perante a empresa e a família.
Para gerenciar uma empresa familiar é preciso que haja uma definição transparente dos objetivos que a empresa pretende atingir. Logo, a Safras & Cifras, pelos seus quase 30 anos atuando com empresas rurais familiares de todo o país, destaca que é necessária uma reorganização grupal para que seus objetivos sejam concretizados, definindo papeis, atribuições e responsabilidades que geram fluxos de informações acessíveis a todos.
Por Paula Secchi Rohde e Sophia Pilar Soares da Silva
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Opinião'

Corpus Christi

Ironia do ano!

 Advogado confeiteiro

ACIT na berlinda

Foro privilegiado, corruptos e corruptores

Peço desculpas aos moradores em nome do executivo

Batizai-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo

EMDUR – A solução bem a vista

Projeto desmonte

Município com excesso de despesas de pessoal pode contratar professores

Mais Destaques
"Chegamos ao 15 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)