Artigos

Como uma criança

| 08/08/2017 - 22:00

Na época de Jesus as crianças não tinham qualquer importância social. O menino ao completar 13 anos se torna “filho do mandamento” (Bar Mitzvah), e é considerado um homem a partir de então; na Sinagoga, pela primeira vez fará a leitura das Sagradas Escrituras. A menina atinge sua maturidade aos 12 anos de idade (Bat Mitzvah: “filha do mandamento”). Antes desta idade, os pais são os responsáveis pelos atos de seus filhos.
Durante os primeiros cinco anos de vida a criança ficava com a sua mãe, e a acompanhava durante todo o dia e em todos os afazeres. Depois dos 5 anos o menino passava aos cuidados do pai, que deveria educá-lo na fé e para o trabalho, transmitindo o seu oficio. As meninas permaneciam acompanhando a mãe, aprimorando a prática das atividades que lhes correspondiam na época. Ente os 7 e 13 anos o menino frequentava a escola da sinagoga. Não eram todos os que tinham acesso a uma formação posterior mais avançada, assim como teve Paulo, que frequentou a escola farisaica de Gamaliel (Atos 22,3). Às meninas não era permitido o estudo formal.
O Livro dos Provérbios cita em algumas de suas passagens a importância do filho honrar seus pais, sendo que este dever é inclusive um dos mandamentos do Decálogo (Os Dez Mandamentos). Cita também o dever dos pais em bem educar seus filhos, como no capítulo 22, versículo 6: “educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele”.
Jesus eleva as crianças a um patamar superior, conferindo-lhes especial importância, como se verifica em Mateus 19 e Lucas 18, na passagem onde diz aos discípulos para não afastarem as crianças de sua presença: “deixai vir a mim estas criancinhas e não as impeçais, porque o reino dos céus é para aqueles que se lhes assemelham”.
Identifica-se, portanto, duas condições imprescindíveis aos adultos, quais sejam, o dever dos pais de bem educar os filhos e a importância dos filhos não se tornarem autossuficientes e virem a desprezar seus pais.
Acredito que espiritualmente é importante sermos como uma criança, dependentes e entregues aos cuidados do Pai.
Jeandré C. Castelon
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Artigos'

A ameaça do “não voto”

Contratação de refugiados pode ser vantagem competitiva para os negócios

Jesus enviou os apóstolos em missão

O milagre da intercooperação

Expo Toledo não pode ficar à mercê só da SRT

Indústria 4.0: impactos e oportunidades da evolução 

Consequências criminais para manifestações machistas e racistas

Abstenção não é solução

Jesus percorria os povoados ensinando

Informações para votar bem e evitar possíveis erros

Mais Destaques

Esporte

São José Futsal perde para o Toledo na Série Ouro

AgroGazeta

Soja brasileira cai pressionada por Chicago e Dólar

Geral

Inscrições para Fies estão abertas

Regional

Audiência em Toledo sobre desapropriação no entorno da BR-163

Política

Eleitor já pode pedir voto em trânsito

Cultura

Atores e dançarinos de Toledo terão chance de se profissionalizarem

Cidade

Faciap reúne centenas de jovens

Gente X Poder

Uma campanha “Legal”

"Chegamos ao 15 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)