Política

Inquérito investiga o governador do Paraná Beto Richa

| 11/08/2017 - 21:20

Inquérito investiga o governador do Paraná Beto Richa

A Procuradoria-Geral da República (PGR) começou a ouvir nesta quinta-feira (10) as primeiras testemunhas em um inquérito que apura supostas irregularidades que teriam sido cometidas pelo governador do Paraná Beto Richa (PSDB). Há indícios de que o tucano tenha beneficiado uma empresa que fez negócios com a família dele, ao assinar um decreto para liberar construções comerciais às margens da BR-277, em Paranaguá, no litoral do estado.
Os depoimentos foram prestados à PGR na tarde desta quinta-feira. Foram ouvidos o presidente do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Tarcísio Mossato Pinto, o chefe do departamento de licenciamento e atividades florestais do IAP, Venilton Pacheco Mucillo, e o empresário Theodócio Jorge Atherino, sócio da empresa Green Logística.
O inquérito foi autorizado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). O caso já é investigado em primeira instância, em Paranaguá. Cinco pessoas respondem ao processo.
Segundo as investigações, a Green Logística foi a empresa beneficiada com o decreto assinado por Richa. Em novembro de 2013, a empresa pediu ao IAP uma licença prévia, para construir um estacionamento de caminhões, em uma área de mata atlântica, às margens da BR-277. O local fica próximo ao Porto de Paranaguá. Um mês depois, a Green Logística comprou o terreno onde pretendia construir a obra.
No mês seguinte, Richa asssinou o decreto, considerando de interesse público o eixo modal de Paranaguá, que incluía a área do estacionamento. O texto diminuiu as restrições ambientais para o funcionamento de postos de combustíveis, armazéns e estacionamentos, mas o Ministério Público diz que essas atividades não são reconhecidas como de utilidade pública, nem de interesse social.
Em fevereiro de 2014, com base no decreto de Richa, o IAP concedeu a licença prévia à Green Logística e a empresa começou a desmatar uma área de aproximadamente 13 hectares, para iniciar a obra. A licença, porém, foi suspensa, a pedido do Ministério Público.
De acordo com o Ministério Público do Paraná, que iniciou as investigações, a Green Logística não cumpriu as exigências para começar a obra, mas ainda assim obteve a autorização do IAP. O relatório de vistoria foi assinado por Venilton Pacheco Mucillo, que foi ouvido nesta quinta.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Política'

Tema da segurança pública dominou o Congresso no primeiro semestre

Eleitor já pode pedir voto em trânsito

Governo pretende revogar MP

Conselho de Ética arquiva processos contra dois deputados

Ministro suspende por 90 dias registro sindical

Reajuste para agentes comunitários de saúde é aprovado no Senado

Fazenda e BC conversam com economistas de presidenciáveis

Câmara aprova MP que autoriza prorrogação de contratos em ministérios

Políticas públicas, o que são e como chegar nelas

Temer diz que novo ministro assume no momento que emprego é prioridade

Mais Destaques

Cidade

Faciap reúne centenas de jovens

Cultura

Atores e dançarinos de Toledo terão chance de se profissionalizarem

Gente X Poder

Uma campanha “Legal”

Estado

Sancionada lei que incorpora gratificação a aposentadoria de docentes

AgroGazeta

Soja brasileira cai pressionada por Chicago e Dólar

Geral

Inscrições para Fies estão abertas

Esporte

São José Futsal perde para o Toledo na Série Ouro

Economia

Mercado vê PIB crescendo menos neste ano, a 1,5%

"Chegamos ao 15 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)