Cidade

O poder dos suplementos no combate e prevenção do câncer

| 10/10/2017 - 20:30

Saiba quais são os quatro suplementos promissores para diminuir a incidência do câncer e também melhorar quem está em tratamento
Outubro chegou e sabemos o quanto é importante esse período para estimular a participação da população no controle do câncer de mama. O mês é celebrado com o objetivo de compartilhar informações sobre o câncer de mama e promover a conscientização da detecção precoce da doença. E falando informação, combate e prevenção do câncer, você sabia que os suplementos vitamínicos são poderosos para diminuir a incidência de alguns tipos de cânceres e até melhorar melhorar o quadro geral do paciente que está em tratamento?
Estudos comprovam que a vitamina D, por exemplo, queridinha do momento está relacionada a 14 tipos diferentes de cânceres, incluindo próstata, mama e cólon. “Pessoas com baixo índice da vitamina D tem 17% de chances a mais de incidência de câncer no pulmão em comparação com pessoas com nível normal da vitamina. Já a redução da incidência de câncer de mama em pessoas do mesmo grupo pode chegar a 77%”, ressalta o médico e nutrólogo Dr. Renato Lobo. Os níveis baixos de vitamina D na população em geral está relacionado principalmente à falta de exposição ao sol. “O recomendado é a exposição descoberta durante 30 minutos por, pelo menos, três vezes na semana”, explica o médico. Outro dado impressionante com relação à vitamina D é a redução de até 94% no risco de ter metástase por conta do câncer de mama. “Além disso, níveis normais de vitamina D ajudam a melhorar o prognóstico de alguns tipos de câncer, como o melanoma, que é o câncer de pele; reduz os efeitos da quimioterapia, como a mucosite; reduz a fadiga; a caquexia, que é o estado de perda muscular; e, inclusive, a dor e a inflamação provocados pelo tratamento”, afirma Dr. Lobo.
Outra suplementação importante para prevenção do câncer de mama, próstata, pulmão e cólon é o de selênio, que é encontrado em alimentos como castanhas, nozes, linhaça, entre outros. Estudos que compararam pacientes com níveis adequados com não adequados de nível de selênio verificaram uma redução em até 50% da mortalidade dos pacientes em tratamento do câncer. “O selênio tem um efeito direto no combate ao tumor e ainda ajuda a reverter a resistência ao tratamento do câncer, que é muito comum. Há muitos pacientes que precisam trocar de tratamento pela resistência das células cancerígenas. O selênio é bom justamente para reverter essa resistência e também reduz efeitos do tratamento, como diarreia e a dificuldade para deglutir.”, explica Dr. Renato Lobo. Segundo o médico os pacientes oncológicos normalmente têm níveis baixos de selênio, em torno de 70. O ideal é entre 110 e 130.
A Vitamina C também é a outra vitamina que tem sido cada vez mais estudada com relação ao câncer. “As células tumorais são muitos sensíveis à oxidação. Altas doses de vitamina C, que é antioxidante, provocam a oxidação das células cancerígenas. Índices normais de vitamina C em pacientes com câncer de mama reduz a mortalidade em 44% em decorrência da doença e o índice de recorrência desse tipo de câncer reduz em 38%. Há, inclusive, casos de cura da metástase com o uso de altas doses de vitamina C, totalmente natural.”, conta Dr. Renato.
Ainda uma quarta substância que tem demonstrado muito eficácia no combate a alguns tipos de cânceres é o DIM (Diindolilmetano), complexo encontrado nos vegetais [1] crucíferos, como Repolho, couve, couve-flor e brócolis e também o wasabi, muito utilizado na culinária japonesa. “A substância tem um efeito anti inflamatório e de auto destruição de algumas células cancerígenas. Muitos médicos pedem a suplementação, pois para atingir os níveis adequados do completo seria necessário consumir pelo menos meio quilo de vegetais crus, o que é praticamente infactível”, explica Dr. Lobo.
E quando o assunto é câncer e novos estudos, não podemos deixar de citar a metformina. A medicação, conhecida há anos pelos médicos e pelos pacientes com diabetes, é a primeira droga indicada no tratamento do diabetes tipo 2 - aquela relacionado à idade e ao sobrepeso - e para “pré diabetes”. “Foi demonstrado que ela reduz a chance de desenvolver câncer de cólon e quando usada por pacientes com câncer de mama, antes da cirurgia, a resposta ao tratamento é muito melhor”, conta o médico.
Em agosto deste ano, pesquisadores da Universidade de Adelaide, na Austrália, fizeram uma análise de diversos estudos já publicados envolvendo essa medicação e descobriram que pacientes diabéticos que faziam uso da metformina apresentaram 6% a menos de chance de desenvolver câncer que pacientes que não apresentavam diabetes. Além disso, os que usavam essa medicação apresentaram uma mortalidade 28% menor da que foi apresentada pelos pacientes com diabetes, mas que usavam outros tipos de medicação. Um dos mecanismos propostos é o efeito antiinflamatório da droga, o estímulo à resposta imunológica e a redução da entrada de glicose nas células cancerígenas, o que tira sua fonte de energia e contribui para a morte delas.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Cidade'

PDT e MDB, de Toledo unem forças para as próximas eleições.

CERTI’s preparam Festas Juninas

Núcleo de Inovação conhece plataformas do MEC

Mudanças na EMDUR

Comitiva de Jataí (GO) visita Toledo 

SerToledo faz visitas à base

Jogos Abertos de Toledo

Toledo realiza Circuito Regional de Natação

Vila Nova recebe campo de grama sintética

Guarda Municipal contribui com projeto inovador

Mais Destaques

Política

Notícias falsas podem colocar eleições em risco

"Chegamos ao 15 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)