Artigos

A lição da professora Heley

| 27/10/2017 - 21:10

Ela não entrou no fogo para morrer. Fez o que fez para tentar impedir a ação do vigia Damião e salvar a vida das crianças. Conseguiu colocar algumas por cima da janela - e entrou em luta corporal com o vigia. Seu corpo foi encontrado ao lado do dele. Impossível não lembrar dos milhares de alemães que abrigaram judeus durante o período do nazismo. Os ocultaram, os alimentaram, contribuíram para a fuga deles, ajudaram com dinheiro e transporte, mentiram aos nazistas por eles. E, assim, colocaram suas vidas em risco. E a de suas famílias. Fizeram isso porque escolheram. Consideraram essa atitude - apesar do perigo - a atitude certa.
Também é preciso lembrar do julgamento de Eichmann, relatado no imprescindível livro de Hannah Arendt, e das palavras do réu, nas suas alegações de defesa, ao dizer que não tinha escolha, que só havia cumprido ordens e que se não as obedecesse, seria ele a morrer. Mas então é óbvio que ele tinha escolha. Como a professora Heley de Abreu; como os alemães (e franceses, holandeses, poloneses, e a longa lista de pessoas dignas) que também escolheram. A diferença é que, enquanto Eichmann acreditava que sua vida e seus interesses valiam mais do que qualquer outra coisa e que, por isso, testemunhar a morte dos outros era algo em relação ao qual não havia o que ele poderia fazer, a professora Heley pensava diferente.
Imaginem agora, a seguinte situação: os empresários do país resolvem que seus negócios, suas propriedades, seus interesses não são mais importantes que sua honestidade, sua dignidade como cidadãos. E mesmo sob o risco de terem sérios problemas, recusam-se terminantemente a colaborar com a corrupção sugerida pelos agentes públicos. Fazem essa escolha. Simplesmente. Correm um risco enorme, mas não hesitam. Entram em luta contra os malfeitores, sem importar nada, além da honestidade e a retidão. Imaginem, deixem a mente vagar por essa possibilidade.
Imaginem o que ocorreria se todos, absolutamente todos os homens e mulheres de negócios desse país agissem como a professora Heley, mulher de 43 anos, pedagoga, funcionária do município de Janaúba, norte de Minas, município de 70 mil habitantes, casada há 23 anos, mãe de três filhas. Lembrem tudo o que deixou para trás a professora Heley. O que ela perdeu. E, mesmo assim, ela entrou nas chamas, lutou com o criminoso, conseguiu salvar algumas das crianças. E morreu. Mas ela não fez isso para morrer. Escolheu ser a pessoa que era. Correta.
No enterro da professora, o prefeito não foi. A secretária da Educação não foi. Mandou uma representante que leu: “são pessoas como ela que nos inspiram a dar a volta por cima e mostrar que, com muita luta, tudo pode ser reconstruído”. Sim. Essa é a lição. Basta fazermos a escolha certa.
* Daniel Medeiros, doutor em Educação Histórica pela UFPR e professor no Curso Positivo.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Artigos'

A Copa do Mundo, eleições e o vira-latismo de Nelson Rodrigues

Aposentadoria da pessoa com deficiência: vantagens e requisitos

O vulcão social

Cooperativas de crédito dão lições ao mercado

A Copa política e o Patriotismo

O Reino de Deus é dom oferecido a todos

Essa tal felicidade

Esculhambação geral

Um mundo de oportunidades ainda longe

Estamos matando o nosso futuro

Mais Destaques

Variedades e Gente

Surge um novo destino turístico próximo das cataratas do iguaçu

Regional

Sebrae aborda vendas a empresas do Oeste

Esporte

GR de Toledo viaja para competição

Geral

Redes de supermercados contribuem para pobreza no campo, diz estudo

"Chegamos ao 15 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)