Opinião

Avaliação Nacional de Alfabetização mostra o óbvio

| 31/10/2017 - 21:00

Especialistas em educação são unânimes em reconhecer que é catastrófico o quadro apresentado pela Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA). O estudo mostra que mais de a metade dos alunos do 3º ano do ensino fundamental, crianças na faixa entre 8 ou 9 anos, apresentou nível insuficiente em testes de leitura e em matemática.
Para os educadores, as causas do cenário crítico estão centradas na descontinuidade das iniciativas traçadas nos planos e na implementação de políticas erradas para o setor. Em outras palavras, muda-se o governo e os planos e metas elaborados para a educação, que deveriam ser, persistentemente, seguidos dentro de uma estratégia cientificamente calculada, deixam de existir da noite para o dia.
O que ocorre no ensino básico, em que 55% dos alunos apresentam nível insuficiente em leitura e em operações simples de matemática, se estende para o ensino médio e atinge as universidades. Políticas públicas para esse setor, como bem lembrou o gerente de Todos Pela Educação, Gabriel Corrêa, devem ter bom plano, boa implementação e continuidade ao longo de vários governos para que funcionem e mostrem resultados. Justamente, tudo que não é feito.
A praga da ideologia política, que nem dentro da máquina de governo parece funcionar a contento, é estendida, sem cerimônia, à educação, desestruturando um edifício que necessita de anos para ser erguido e consolidado. O problema, neste caso, não está no solo fértil da infância, mas na cabeça dura e despreparada dos dirigentes adultos. Ao transformar os anos iniciais do ensino público em laboratório de testes, incluindo releituras do cotidiano com viés político-ideológicos, o que se tem, como produto, são alunos sem a formação básica necessária e pouco distantes do analfabetismo completo.
O pior é que essa falha no processo inicial de alfabetização se estende para os anos seguintes, favorecendo os índices de evasão escolar pela incapacidade de muitos em acompanhar o desenvolvimento e aprofundamento dos assuntos. Neste caso, os alunos sem base permanecem como alicerces expostos de um edifício inconcluso e abandonado. O que se tem dessa mistura entre currículos e grades de ensino sem metodologia adequada, permeada de improvisação ideológica e partidária, é o que apresentam os variados exames, como ANA, Enem, Pisa e outros instrumentos de aferição da qualidade de nosso ensino. Invariavelmente, eles mostram a miséria de nossas escolas públicas.
A doutrinação política, tão ardorosamente defendida por entidades de classe da educação, ao impedir que nossas crianças desenvolvam uma utopia própria do futuro, apresentam a elas um mundo antigo e maniqueísta, que nem os adultos acreditam mais. Ao trocar a educação pela doutrinação, transformando as escolas em partidos, o que se tem é isso aí, lamentavelmente.
colunadoaricunha@gmail.com
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Opinião'

Corpus Christi

Ironia do ano!

 Advogado confeiteiro

ACIT na berlinda

Foro privilegiado, corruptos e corruptores

Peço desculpas aos moradores em nome do executivo

Batizai-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo

EMDUR – A solução bem a vista

Projeto desmonte

Município com excesso de despesas de pessoal pode contratar professores

Mais Destaques
"Chegamos ao 15 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)