Economia

Preços de alimentos em alta, apesar da grande produção e oferta, alerta FAO

| 09/11/2017 - 21:00

Preços de alimentos em alta, apesar da grande produção e oferta, alerta FAO

O preço global dos alimentos para importação deve subir cerca de 6% em 2017, em comparação com o ano passado. A previsão é da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e consta do relatório “Panorama da Alimentação”, lançado nesta quinta-feira (9) em Roma, sobre o valor de commodities incluindo cereais, oleaginosas, pescado, carnes, frutas tropicais etc.
Em comunicado, a agência da ONU informou que a alta ocorre em meio a um cenário de larga produção e uma ampla oferta. Uma das razões é a subida do preço do transporte. A conta total será de mais de US$ 1,4 trilhão em 2017, o que representa um aumento de 6%, comparado a 2016. O Panorama da Alimentação é divulgado duas vezes ao ano, examinando a situação do mercado.
Demanda forte
O economista senior da FAO, Abdolreza Abbassian, comentou que, além do cenário favorável, a demanda mundial por alimentos ainda é forte, e que deve haver um aumento a cada ano para todas as mercadorias agrícolas à exceção do açúcar. Para o especialista, o mercado tende a ajustar os preços de forma mais equilibrada em 2018.
Segundo a FAO, as implicações socioeconômicas do aumento impactam principalmente nos países menos desenvolvidos, com alto volume de importação. A conta de importação de carnes, por exemplo, deve ficar 22% mais alta que no ano passado, chegando a US$ 176 bilhões.
Brasil, China, Costa Rica, Índia e México
O relatório da ONU prevê ainda um cenário de oportunidades para a exportação de frutas tropicais, como manga, abacaxi, mamão e abacate. Combinados, eles devem fechar este ano com um valor de US$ 10 bilhões. Somente em 2017, devem ser produzidas 92 milhões de toneladas dessas quatro frutas. Dentre os maiores produtores estão Brasil, China, Costa Rica, Índia e México.
A boa performance é promissora para o desenvolvimento rural e o combate à pobreza com mais negócios para pequenos agricultores.
Já o recorde na produção de mandioca deve ocorrer na África. Segundo o Panorama da FAO, esta é a terceira fonte mais importante de calorias em áreas tropicais, após o arroz e o milho. A África Subsaariana deve produzir 156 milhões de toneladas da raiz este ano. Por Monica Grayley, da ONU News
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Economia'

Atividade econômica fraca e inflação abaixo da meta mantém Selic em 6,50%

Prévia da inflação oficial registra taxa de 1,11% em junho

De 2015 para 2016, a indústria perdeu 400,8 mil pessoas ocupadas

Publicada lei que altera juros de fundos constitucionais

Por trás da “fachada de otimismo”, BCE se preocupa com custo da guerra comercial, dizem fontes

PIB caiu 0,4% no trimestre finalizado em abril, diz FGV

Economistas veem dólar acima de R$3,50 e Selic a 6,5%

Saques do PIS/Pasep colocarão R$ 34,3 bilhões na economia

Indicador da FGV que mede atividade econômica no país recua 1% em maio

Abcam apresenta sugestões para frete mínimo do transporte de cargas

Mais Destaques

Cultura

Prêmio Literário 2018

Gente X Poder

Se despediu

Esporte

GR de Toledo viaja para competição

Cidade

PDT e MDB, de Toledo unem forças para as próximas eleições.

AgroGazeta

Governo eleva previsão de VBP em 2018

Regional

Festa junina anima pacientes do Hospital Uopeccan

Estado

Porto de Paranaguá tem recorde de granéis sólidos

Política

Notícias falsas podem colocar eleições em risco

"Chegamos ao 15 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)