Geral

Estado reduz custo de reparos nas escolas e ressocializa presos

| 14/11/2017 - 21:15

Estado reduz custo de reparos nas escolas e ressocializa presos

Escolas estaduais do Paraná contam com um reforço para garantir um ambiente ainda mais agradável para alunos e funcionários. É o programa Mãos Amigas, que utiliza a mão de obra de detentos do regime semiaberto para serviços de melhorias nas unidades. Desde o início do programa, em 2012, a economia para os cofres do Estado foi de R$ 3 milhões.
Além de melhorar a estrutura e reduzir os custos com pintura, jardinagem, limpeza e pequenos reparos, o Mãos Amigas dá aos presos trabalho, renda e oportunidades de ressocialização.
Segundo o coordenador do projeto, Nabor Bettega Júnior, um dos fatores que gera economia é a redução da pena dos presos que participam do programa – a cada três dias de trabalho, o presidiário tem a pena reduzida em um dia.
Nabor explica que o custo mensal de um preso em Curitiba e Região Metropolitana, segundo dados do Departamento Penitenciário do Paraná (Depen), é de R$ 2.824. Em um período de três meses fica em torno de R$ 8.472 mil. “Se 20 presos reduzissem o tempo de permanência na penitenciária em três meses, o total economizado chegaria a R$ 169,4 mil”, destaca Bettega.
Desde o início do projeto, 687 escolas de 74 municípios do Paraná foram atendidas com o programa e também conseguiram reduzir custos. Uma delas é o Colégio Estadual Santa Felicidade, em Curitiba, que conta com 750 alunos nos turnos da manhã, tarde e noite.
O diretor Luiz Carlos Bueno conta que de segunda a sexta-feira entre cinco e sete detentos fazem a pintura das salas de aula, refeitório, pátio, ginásio de esporte e outras dependências. “Gastamos 12 mil reais com tinta. Se tivéssemos que contratar a mão de obra, com certeza teríamos que desembolsar muito mais. Por isso, acho o projeto uma ótima estratégia para ajudar as escolas que constantemente precisam de pequenos reparos”.
O Colégio Estadual Natália Reginato, localizado no bairro Cajuru, na região Leste da Capital, também é pintado por detentos. “Se não fosse o projeto nós não teríamos condições de fazer esses serviços”, diz a diretora Rosemari Duelli. “Eles têm feito um trabalho de excelente qualidade”, complementa ela.
O programa Mãos Amigas foi criado em 2012 em uma parceria entre as secretarias estaduais da Educação e da Segurança Pública e Administração Penitenciária, por meio do Departamento Penitenciário do Paraná (Depen), com apoio da Paraná Educação. Atende escolas e imóveis do patrimônio público.
Os detentos recebem, mensalmente, a remuneração correspondente a três quartos do salário mínimo vigente. Parte do valor pago ao preso (cerca de 20%) fica retida todo mês em uma poupança para que ele possa retirar a quantia quando sair em liberdade definitiva. Os 80% restantes podem ser resgatados durante o cumprimento de pena pela família do detento, caso ele escolha essa opção.

    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Geral'

Atividade econômica fraca e inflação abaixo da meta mantém Selic em 6,50%

Prévia da inflação oficial registra taxa de 1,11% em junho

De 2015 para 2016, a indústria perdeu 400,8 mil pessoas ocupadas

IBGE apresenta panorama da urbanização no Brasil

Redes de supermercados contribuem para pobreza no campo, diz estudo

Preço da soja para exportação reage

Governo eleva previsão de VBP em 2018

Valores do frete impactam fertilizantes no campo

Miho: compradores baixam ainda mais os preços

Publicada lei que altera juros de fundos constitucionais

Mais Destaques

Esporte

GR de Toledo viaja para competição

Regional

Sebrae aborda vendas a empresas do Oeste

"Chegamos ao 15 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)