Artigos

Ação e reação

| 29/11/2017 - 21:00

No mundo da política, assim com em qualquer outra disputa que envolva interesses de grupos poderosos, a toda ação se opõe reação em sentido contrário. Algumas vezes esses embates se enquadram dentro da legítima e salutar discussão política que caracteriza a própria democracia, prevalecendo, nesse caso, o consenso e o ponto de vista da maioria. Em outros casos, no entanto, como tem acontecido, repetidamente, nos últimos tempos, as disputas acabam por revelar não o entendimento da maioria, mas as estratégias bem urdidas de grupos de pressão, dentro do que ficou consolidado em nosso país como “é dando que se recebe”. Obviamente, nesses casos, e quase sempre, quem sai em larga desvantagem é a população, alijada e contrariada em seus interesses por esses grupos.
Uma pesquisa, realizada em maio desse ano pelo Datafolha, mostrou que mais de 70% dos eleitores querem o fim imediato das prerrogativas asseguradas a políticos com mandato, como o julgamento só em instâncias superiores da Justiça. Quando a pesquisa é feita entre pessoas com escolaridade de nível superior, o percentual ultrapassa 82%. O que equivale a afirmar que o brasileiro mais informado e, portanto, mais politizado, quer o fim imediato do foro privilegiado. Fôssemos seguir esse resultado inconteste que todas as pesquisas sobre o assunto revelam, colocando-o à luz do espírito da Constituição, logo em seu artigo 1º, parágrafo único —“Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente”—, há muito, o instituto do foro por prerrogativa de função seria letra morta não para uns poucos, mas para todos igualmente, conforme é regra na maioria dos países civilizados e com muito mais tradição democrática do que o Brasil.
Não se trata aqui de invocar uma democracia do tipo plebiscitária e direta, mas, tão somente, antepor a argumentos falhos à vontade soberana da nação, numa matéria que, do ponto de vista da racionalidade, é patente e pacífica. A situação ganha ainda contornos mais preocupantes quando se percebem as maquinações que são armadas para manter o status quo daqueles indivíduos que estão com pendências ante a Justiça e que, no momento presente, são muitos e bem situados no coração da República.
Em boa hora, o sempre lúcido ex-ministro do Trabalho Amir Pazzianotto destaca que no Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal, espécie de Constituição daquela Corte, em seu art. 134, está escrito, de forma simples e cristalina, que, “se algum dos ministros pedir vista dos autos, deverá apresentá-lo, para prosseguimento da votação, até a segunda sessão ordinária subsequente”. Lembra também o ex-ministro Pazzianotto que o referido regimento, em seu art. 13 III, estabelece que compete a presidente da Corte “dirigir os trabalhos e presidir as sessões plenárias, cumprindo e fazendo cumprir este Regimento”. Portanto, eventuais pedidos de vistas, objetivando atender demandas obscuras, tramadas longe do conhecimento da população, atentam ao mesmo tempo contra a Constituição, contra o Regimento Interno do Tribunal e contra a vontade soberana da população que deseja ver esse assunto sepultado para sempre.
colunadoaricunha@gmail.com;
com Circe Cunha e Mamfil
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Artigos'

Jesus viu uma grande multidão e teve compaixão

Sustentabilidade e reeducação

Uma abertura comercial inteligente

Eles estão surdos

O Poder e o Povo

Uma agenda a favor do Brasil

Aeroportos: Muito na frente de nosso tempo

A ameaça do “não voto”

Contratação de refugiados pode ser vantagem competitiva para os negócios

Jesus enviou os apóstolos em missão

Mais Destaques
"Chegamos ao 15 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)