Cidade

Ações melhoram proteção de quem está vulnerável no Paraná

| 28/12/2017 - 21:20

A proteção de direitos teve acréscimo em qualidade e quantidade pelas ações desenvolvidas pela Secretaria de Estado da Família e Desenvolvimento Social. Campanhas deram visibilidade a violações de direitos, permitindo que mais casos fossem registrados, e mais recursos foram destinados para garantir cidadania, principalmente a pessoas em situação de vulnerabilidade ou de risco.
Um dos grandes avanços deste ano ocorreu no Fundo Estadual para a Infância e Adolescência (FIA) para as políticas da área. Pela primeira vez, o montante repassado foi de R$ 58,9 milhões, três vezes o valor do ano passado (R$ 17,9 milhões).
Os investimentos foram crescentes nos últimos anos. “Criamos e estruturamos um sistema para que os investimentos chegassem mais rápido até crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade e risco em todo o Paraná”, explica Leandro Meller, superintendente de Políticas de Garantia de Direitos, da Secretaria da Família.
Reconhecimento – O resultado dos investimentos fez com que o Paraná ficasse entre os melhores estados para viver a infância e a adolescência, segundo o relatório divulgado pela Fundação Abrinq julho deste ano. O documento compara a situação da infância no Brasil com as metas assumidas pelo país junto à Organização das Nações Unidas (ONU).
Segundo o relatório, o Paraná ficou entre os cinco estados que mais reduziram o percentual da população geral e até 14 anos em situação de pobreza, e em primeiro lugar, com um índice de 82%, no acompanhamento a gestantes. No percentual de menores de 5 anos com estatura ou peso abaixo do normal para a idade, o Paraná obteve o segundo do melhor resultado.
As ações de sensibilização e mobilização da sociedade também promoveram a proteção de crianças e adolescentes. O número de denúncias aumentou 205% após as campanhas, realizadas em fevereiro, sobre o trabalho infantil no Carnaval e a exploração sexual de crianças e adolescentes. A campanha de aprendizagem também estimulou a contratação de adolescentes aprendizes, em todo o Estado. O aumento foi de 65%.
Inclusão –As ações do Estado também priorizaram a inclusão social e as características individuais de cada cidadão. O primeiro Plano da Pessoa com Deficiência do Paraná foi lançado em 2017 em quatro versões, que podem ser acessadas por cegos ou por quem tem dificuldade de visão e leitura.
“O plano representa um grande avanço, pois define políticas de garantia de direitos e propostas de intervenção, depois de discussão entre poder público e sociedade, por meio dos conselhos municipais e seminários”, destaca Leandro.
Na temporada passada, em parceria com a Sanepar, a Secretaria colocou cadeiras anfíbias, para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, em três pontos do litoral. Para o Verão Paraná 2017/2018, estão previstos nove pontos no Litoral e um no Lago de Itaipu, em Santa Helena.
Prevenção – Já as mulheres em situação de risco ganharam mais uma ferramenta para se proteger de possíveis agressões. Lançado em novembro deste ano, o dispositivo de segurança preventivo, conhecido como botão do pânico, contribui para o cumprimento de medidas judiciais protetivas sejam respeitadas.
No mesmo mês, foi lançada a campanha que mostra violências “invisíveis” contra a mulher. Vídeos incentivam as mulheres a não aceitarem violências sutis, como humilhações e controle das atividades individuais, e sensibiliza não só quem sofre violência, mas também a família e a sociedade.
A atuação da Secretaria da Família, nos últimos cinco anos, fez que com o Paraná conseguisse reduzir em 30%, a morte de mulheres.
Conselhos – Para estimular a proteção e a garantia de direitos da pessoa idosa, a Secretaria tem incentivado os municípios a constituírem conselhos da pessoa idosa. Com isso, no fim deste ano, 90% dos 399 municípios do Estado possuem conselhos. Nas reuniões entre membros da prefeitura e da sociedade são definidos como os recursos serão aplicados nos municípios.
Além dos conselhos, as prefeituras devem criar fundos e planos municipais, para acessarem recursos. O saldo do Fundo Estadual dos Direitos da Pessoa Idosa (Fipar) chegou a R$ 12,7 milhões, em 2017. Desse valor, R$ 4 milhões foram destinados a projetos desenvolvidos por municípios para o atendimento de pessoas idosas.
Entre as ações para quem passou dos 60 anos, foi divulgada campanha em rádio e TV que valoriza a experiência da pessoa idosa.
Estrutura – A Secretaria da Família abriga coordenações estaduais voltadas à proteção de direitos da mulher, da pessoa idosa, da pessoa com deficiência e de crianças e adolescentes. Também é responsável pela manutenção de conselhos estaduais de cada área, que contam com membros da sociedade e do governo. Os conselhos orientam o uso de recursos e direcionam as ações.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Cidade'

Secretário do Estado visita instalações do futuro aterro e dois Ecopontos

Faciap reúne centenas de jovens

MP interveio e Executivo teve que responder sobre o Canil da GM

Denúncia entregue anonimamente a Gazeta de Toledo

Servidores de Toledo se destacam com palestras legislativas pelo Brasil

Veículos de transporte escolar devem passar por vistoria em julho

Jardim Coopagro vai inaugurar Associação de Moradores

Centros da Juventude recebem investimentos

Toledo sedia evento estadual da Faciap Jovem

EMDUR continua testando nova tecnologia de asfaltamento

Mais Destaques
"Chegamos ao 15 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)