Artigos

Estamos aqui para adorar o Senhor

| 01/01/2018 - 08:59

Estamos aqui para adorar o Senhor

A festa deste 1º domingo de janeiro, a Epifania de Nosso Senhor, celebra a manifestação de Jesus a todos os povos. Epifania é uma festa de luz: a luz que conduz a Jesus; uma luz que nasce dele e atrai a si todos os povos da terra. Jesus vem para realizar o projeto salvador.Os magos representam todos os povos que caminham na esperança de encontrar alegria, paz e salvação.
No Evangelho de São Mateus podemos acompanhar a confissão de fé e o testemunho dos primeiros seguidores de Jesus. Seguindo o esplendor da estrela viram com seus próprios olhos o Messias esperado. Isso nos diz que a busca de Deus não é nunca em vão se ela se for realizada com a mesma paixão dos Reis Magos. Atentos aos sinais da chegada do Messias, eles o procuram com esperança e não desanima até encontrá-lo. Reconhecem nele a salvação de Deus e o aceitam como Senhor. A salvação é dom de Deus que precisa ser acolhida na figura do menino-Deus.
Os presentes oferecidos pelos Reis Magos revelam o profundo mistério de Cristo: Rei, Deus, Homem. O que eles viram realmente? Eles viram um bebê envolto em panos e deitado numa manjedoura! Estes homens pagãos que não conhecem a revelação do Antigo Testamento reconhecem o Messias nesta criança e não se escandalizam com sua pobreza. Ao contrário dos doutores da lei e os especialistas das escrituras que não o reconhecem. É o que veremos em todo o evangelho de Mateus: Jesus é rejeitado pelo povo eleito e é acolhido pelos pagãos. O episódio indica que diante de Deus não há preferência de pessoas: a salvação é oferecida a todos, sem distinção. Jesus é o Rei que os pobres esperam. É um rei pacífico e humilde. Quem o encontra fica feliz como os pastores e os magos. O texto do Evangelho é uma catequese sobre Jesus e sua missão. Jesus é apresentado como o enviado de Deus Pai; Ele vem oferecer a salvação a toda humanidade. O evangelho revela também duas atitudes que vão se repetir ao longo de todo o Evangelho: há os que rejeitam Jesus e seu projeto, aqui simbolizado por Herodes e as autoridades de Jerusalém. Eles ficam perturbados com a chegada do Messias e planejam sua morte. De outro lado, há os que se alegram e acolhem Jesus, os pagãos e os pastores.
A Epifania é a festa da gratuidade e universalidade do chamado à salvação. “Deus nos salvou e convocou para uma santa vocação, não segundo as nossas obras, mas segundo o seu propósito e sua graça: graça que nos foi dada em Cristo Jesus desde a eternidade, mas que foi revelado somente agora com manifestação (epifania) de Nosso Salvador Jesus Cristo (cf 2Tm 1,9).
A visita dos Reis Magos nos ensina a buscar continuamente a luz verdadeira que ilumina a humanidade: Cristo. Não há nenhuma outra luz que ilumina plenamente, porque somente Cristo “tem palavras de vida eterna” (Jo 6,68). O próprio Deus atraiu e apontou os caminhos para os magos. Ele continua a fazer isso conosco hoje: “Fui eu que vos amei primeiro”. Nós, também, como os magos, chegaremos à casa do Pai e veremos o menino com Maria, sua mãe.
Dom João Carlos Seneme, css
Bispo de Toledo
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Artigos'

Jesus viu uma grande multidão e teve compaixão

Sustentabilidade e reeducação

Uma abertura comercial inteligente

Eles estão surdos

O Poder e o Povo

Uma agenda a favor do Brasil

Aeroportos: Muito na frente de nosso tempo

A ameaça do “não voto”

Contratação de refugiados pode ser vantagem competitiva para os negócios

Jesus enviou os apóstolos em missão

Mais Destaques
"Chegamos ao 15 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)