Artigos

Agrotóxicos e doenças

| 04/01/2018 - 20:15

Não se tem ainda, no Brasil, um estudo mais preciso sobre as diversas doenças contraídas pelo homem da cidade e do campo pelo uso de agrotóxicos, principalmente pela aplicação do glifosato. Os levantamentos esparsos que se conhecem sobre o uso indiscriminado do herbicida, produzido pela Monsanto sob o nome de RoundUp, mostram que são elevados os números de doenças, como câncer, distúrbios da tireoide, má-formação de fetos e intoxicações diversas.
O glifosato é o agrotóxico mais utilizado no mundo e, no Brasil, representa 50% das vendas, de acordo com dados do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama). Diferentemente do que ocorre no nosso país, o uso desse veneno, na Europa, tem validade definida. Em países como a França, será banido, definitivamente, em 2022. Em outras partes do continente europeu, o uso também está prestes a expirar. A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica o produto como potencialmente cancerígeno.Outras pesquisas contrárias não têm a credibilidade pelo fato de serem financiadas pelas indústrias do produto. O Brasil é considerado o campeão mundial de uso do glifosato. Metade da importação do veneno é destinada para as lavouras de soja, depois, às plantações de cana e de milho — três commodities, que tornam o Brasil o maior exportador agrícola mundial —, cultivadas em latifúndios com área superior à de muitos países da Europa. Nesse sentido, o Brasil exporta não só esse tipo de alimento transgênico em enormes quantidades, mas, sobretudo, produtos altamente contaminados — 96% da nossa soja é transgênica. No caso do milho, a porcentagem é de 86%. Ou seja, o agronegócio produz basicamente alimentos geneticamente modificados e com alta dosagem de veneno.
Essa é uma realidade que tem, como subproduto, grande incidência de doenças adquiridas pela população e, principalmente, pelo trabalhador do campo, além causar danos irreversíveis ao meio ambiente, com o envenenamento do solo, da água, dos animais silvestres, desde insetos polinizadores, como as abelhas, até animais maiores, mortos também por intoxicação severa. Além disso, os resíduos do veneno, presentes na água potável que consumimos, são cinco mil vezes maiores do que os presentes na água para consumo humano na Europa, o que é um escândalo sem precedentes.
No Brasil, diferentemente do que ocorre em outros países, há uma bancada numerosa, conhecida como “bancada ruralista”, no parlamento, que, curiosamente, se move abertamente contra os interesses da população, sobretudo contra a saúde dos brasileiros, deixada de lado e a reboque de interesses puramente econômicos.
Para se ter uma ideia, entre 2007 e 2014, houve registros de mais 25 mil intoxicações no Brasil — sem contar com as subnotificações — decorrentes exclusivamente do uso de venenos na agricultura. Ocorre que, na avaliação da bem-conceituada Fiocruz, para cada caso notificado ao Ministério da Saúde, estimam-se outros 50 casos que não foram registrados. Ou seja, 50 vezes 25 mil, um número absurdo mantido sob silêncio.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Artigos'

Jesus enviou os apóstolos em missão

O milagre da intercooperação

Expo Toledo não pode ficar à mercê só da SRT

Indústria 4.0: impactos e oportunidades da evolução 

Consequências criminais para manifestações machistas e racistas

Abstenção não é solução

Jesus percorria os povoados ensinando

Informações para votar bem e evitar possíveis erros

Você vive ou acumula?

Em tempos de clamor por ditadura, o que é democracia?

Mais Destaques

Estado

UNILA oferta curso preparatório para exame de Língua Portuguesa

Cidade

Denúncia entregue anonimamente a Gazeta de Toledo

"Chegamos ao 15 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)