Política

Para 92% dos brasileiros, os candidatos devem controlar gastos

| 13/03/2018 - 20:50

Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) aponta que a maioria dos eleitores acha importante que candidatos sejam honestos, acreditem em Deus, que tenham experiência como prefeito ou governador e que sejam honestos.
A prioridade do próximo presidente da República deve ser a promoção de mudanças sociais, com melhoria da saúde, educação, segurança e desigualdade social, se depender da opinião da maior parte dos brasileiros. Essa foi a opção que teve o maior número de votos (44%) entre os brasileiros entrevistados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e o Ibope para realizar a pesquisa _Retratos da Sociedade Brasileira - Perspectivas para as eleições de 2018_.
Em segundo lugar, com 32% dos votos, aparece a moralização administrativa, com combate à corrupção e punição de corruptos. Um número menor de pessoas acredita que entre as três opções apresentadas, a prioridade deve ser a estabilização da economia, com queda definitiva do custo de vida e do desemprego (21%). Do total de entrevistados, 1% não quis escolher entre as três opções e 2% não souberam responder.
Apesar de desejarem que o foco do próximo presidente esteja nas questões sociais, 92% das pessoas defendem que é importante ou muito
importante que o candidato também defenda o controle dos gastos públicos. O levantamento entrevistou 2 mil pessoas em 127 municípios
sobre qual deve ser a prioridade do próximo presidente da República e quais características a população busca no candidato.
“É muito importante que a população tenha consciência da necessidade de se ter o controle das despesas públicas. É uma das propostas previstas no Mapa Estratégico da Indústria 2018-2022 por ser fundamental para garantir a estabilidade e a previsibilidade no ambiente
macroeconômico, além da melhoria do ambiente de negócios”, afirma o gerente-executivo de Pesquisa e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca.
PERFIL DO PRESIDENTE - A maioria dos eleitores concorda que é importante que o candidato acredite em Deus (79%), mas não necessariamente o candidato precisa ser da mesma religião que eles - apenas 29% acham muito importante que o candidato seja da mesma religião. Questionados sobre a classe social do candidato, 52% concordam que preferem candidatos de família pobre. Quanto menor a renda familiar dos eleitores, maior o percentual de concordância de que eles preferem votar em candidatos de família pobre.
Entre as características pessoais que são consideradas muito importantes no candidato, 87% disseram que a principal é ser honesto e não mentir em campanha. Como podiam votar em mais de uma opção, aparecem outras com percentuais acima de 80%: nunca ter se envolvido em casos de corrupção (84%) e transmitir confiança (82%). As características pessoais com menor quantidade de avaliações como ‘muito importantes’ entre as opções apresentadas foram: ter pouca exposição da vida pessoal (40%) e ser da sua religião (29%).
Já entre as características profissionais, a primeira é conhecer os problemas do país (89%), seguida por ter experiências em assuntos econômicos (77%), por ter boa formação educacional (74%). As opções menos votadas foram: ter trabalhado no setor privado (40%) e ser militar (27%).
EXPERIÊNCIA NA VIDA PÚBLICA - Para 72% dos brasileiros, é importante que o candidato tenha experiência como prefeito ou governador. E a opção de ter experiência e trajetória na política de forma geral foi apontada como muito importante por 62%. A maioria dos brasileiros estuda as propostas dos candidatos antes de decidir o voto (84%), mas 75% dizem não acreditar nas promessas de campanha.
CANDIDATOS X PARTIDOS - A grande maioria (72%) concorda que votam nos candidatos que gostam, independentemente do partido em que estejam. Questionados sobre que partido têm mais simpatia, menos da metade quis escolher uma opção. Enquanto 48% dos eleitores dizem não ter preferência por nenhum partido, 5% não souberam ou não quiseram responder.
Somente quatro partidos tiveram mais de 1% de votos. São eles: PT (19%), MDB (7%), PSDB (6%) e PSOL (2%). Outros 11 partidos tiveram 1% de votos cada e 3% dos eleitores escolheram partidos com menos de 1% de citações cada.
Dos entrevistados, 58% discordam que o seu voto para deputados e senadores serão para candidatos do mesmo partido do voto para presidente.
CORRUPÇÃO PREOCUPA - A pesquisa mostra que 44% dos eleitores estão pessimistas em relação às eleições. Outros 23% não estão otimistas nem pessimistas, 20% estão otimistas e 13% não souberam responder.
O principal motivo para o pessimismo é a corrupção - apontada por 30% em pergunta com resposta espontânea. Também foram apresentados como motivos para o pessimismo a não confiança no governo e nos candidatos (19%). Questionados sobre votar em um candidato acusado de corrupção, mas que tenham o mesmo alinhamento ideológico que eles, 79% dos entrevistados discordaram.
Dos 20% da população que se dizem otimistas, 32% afirmam acreditar na mudança e renovação, 19% têm esperança no voto e na participação popular.
A pesquisa foi realizada entre os dias 7 e 10 de dezembro de 2017 e possui margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.
Fonte: CNI
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Política'

MP pede atestados apresentados por vereadores de Foz

PGR pede mais prazo para investigar presidente e ministros

Aplicativo permite que eleitor saiba como parlamentares votam

Governo quer aprovar privatizações antes do recesso

Paraná deve avançar em políticas para mulheres

Serpro diz que não vendeu dados de brasileiros a site investigado

Relator da Lava Jato no STF diz que sistema penal é seletivo

Ministro da Cultura diverge com governo e pede demissão

STF quer restrição de foro para ministros

Pela 1ª vez, campanha eleitoral não terá financiamento de empresas

Mais Destaques
"Chegamos ao 15 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)