Economia

Mercado reduz para previsão de déficit nas contas públicas

| 12/04/2018 - 20:50

Mercado reduz para previsão de déficit nas contas públicas

Instituições financeiras consultadas pelo Ministério da Fazenda esperam por um déficit menor nas contas públicas neste ano. A estimativa de déficit primário do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central), neste ano, passou de R$ 139,132 bilhões para R$ 136,103 bilhões. A estimativa está abaixo da meta para este ano, que é R$ 159 bilhões.
O resultado primário é formado por despesas menos receitas, sem considerar gastos com juros.
A projeção consta na pesquisa Prisma Fiscal elaborada pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, com base em informações de instituições financeiras do mercado. Os dados foram divulgados ontem (12).
Para o ano que vem, a estimativa de déficit primário passou de R$ 111,892 bilhões para R$ 107,304 bilhões.
Na última terça-feira (10), o novo ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Esteves Colnago, disse que a melhora na arrecadação decorrente da recuperação da economia poderá fazer a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019 vir com meta menor de déficit primário.
A LDO de 2018 estimava meta de déficit primário – resultado negativo nas contas do governo antes do pagamento dos juros da dívida pública – de R$ 139 bilhões para o próximo ano. No entanto, o bom desempenho da arrecadação federal, que cresceu mais de 10% acima da inflação oficial nos dois primeiros meses do ano, pode criar condições para que a equipe econômica imponha uma meta fiscal mais apertada para 2019.
Hoje à tarde, Colnago e o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, darão entrevista coletiva à imprensa para divulgar o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2019 (PLDO), que será enviado ao Congresso Nacional.
Dívida
A pesquisa apresenta também a projeção para a dívida bruta do governo geral, que, na avaliação das instituições financeiras, será de 74,9% do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país). A estimativa anterior era 75% do PIB. Para 2019, a estimativa foi ajustada 76,95% para 76,90% do PIB.
Fonte: Kelly Oliveira - Repórter da Agência Brasil
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Economia'

Brasil cresce 3,29% em junho e reverte perda com greve

Empresários brasileiros buscam ampliar parcerias com o Paraguai

Setor de serviços cresce 6,6% em junho, maior taxa da série histórica

Mercado vê inflação maior em 2018

PIS/Pasep: resgate começa nesta terça para trabalhadores de todas as idades

Despesas do Judiciário crescem acima do teto em 12 meses

Temer sanciona lei que institui tabela de fretes no país

Produção industrial cresce em junho em 13 dos 15 locais pesquisados

Alimentos têm queda de preço e ajudam a segurar inflação em julho

Mesmo com inflação em baixa, Copom não indica rumos da Selic

Mais Destaques

Cidade

Toledo recebe o EnTenda de Economia

Regional

Evento internacional destaca mel produzido no Oeste

Esporte

Toledo recebe Paranaense de Vôlei de Praia

Gente X Poder

Invasão

Cultura

Capoeira: da marginalização à institucionalização

Geral

Censo 2020 terá informações específicas sobre quilombolas

AgroGazeta

Está mais fácil adquirir equipamentos pelo Trator Solidário

Estado

Plataforma digital é aprimorada no Paraná

"Chegamos ao 15 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)