AgroGazeta

Preço elevado permite que soja traga US$ 36 bi ao país neste ano

| 13/04/2018 - 20:15

Preço elevado permite que soja traga US$ 36 bi ao país neste ano

A soja deve trazer receitas de US$ 36 bilhões neste ano para o Brasil. O resultado é 14% acima do de 2017 e supera em 36% o de 2016.
As estimativas são da Abiove (Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais), que indica a soja em grãos como a maior fonte dessas receitas: US$ 29 bilhões. Farelo e óleo ficam com o restante.
“Está ocorrendo o melhor dos mundos para o Brasil e para seus produtores”, diz Daniele Siqueira, analista da AgRural, de Curitiba.
O primeiro motivo é porque o Brasil vai colher uma supersafra de soja. A estimativa da agência é de uma produção superior a 119 milhões de toneladas.
Com um volume tão grande de soja a ser colhido, após uma outra supersafra em 2017 no país e duas seguidas nos Estados Unidos, a tendência seria de redução nos preços.
Ao contrário, estão em alta em Chicago. Em março de 2017, a tonelada de soja foi negociada, em média, a US$ 369 na Bolsa daquela cidade, segundo a Abiove. Nesse mesmo mês de 2018, esteve em US$ 383.
Daniele destaca, ainda, a alta interna do dólar. Ela torna o produto brasileiro mais competitivo e aumenta a renda do produtor em reais.
A saca de soja era negociada a R$ 72 em Cascavel (PR) há um mês. Está atualmente em R$ 81,5. Em Rio Verde (GO), subiu de R$ 66,5 para R$ 75 e em Sorriso (MT) evoluiu de R$ 61 para R$ 68,5 no mesmo período.
Um outro fator inesperado é o aumento do valor do prêmio pago ao produto brasileiro em plena safra.
Premio é o quanto o importador está disposto a pagar a mais para ter o produto brasileiro.
No dia 4 deste mês, quando a China impôs taxa de importação na soja dos EUA, o prêmio chegou a superar em US$ 1,80 por bushel (27,2 quilos) o valor das negociações referentes a maio na Bolsa de Chicago. Recuou nesta semana, mas ainda se mantém elevado: US$ 1,25.
Tudo isso porque a safra argentina de soja, que chegou a 58 milhões de toneladas no ano passado, deverá recuar para 38 milhões neste ano.
A Argentina terá limitações físicas nas exportações, enquanto os EUA terão barreiras tarifárias nas exportações para a China, a líder mundial em importações.
Siqueira acredita que esses preços, atualmente elevados, devem se ajeitar. Em pouco tempo, a quebra da produção argentina vai se confirmar e o mercado para de olhar para o país vizinho.
Os olhares se voltarão para os EUA, que estão em fase de plantio e com clima desfavorável neste início de safra.
O prêmio nos portos brasileiros não devem continuar nesses valores altos. Já o dólar é sempre uma incógnita, principalmente em ano de eleição, segundo ela.
Fonte: agrural.com.br
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'AgroGazeta'

Milho: Indicador recua quase 6% no acumulado do mês

Dólar cai e pressiona valores internos da soja

Cão farejador ajuda prevenir entrada de peste suína africana no Brasil

Situação do plantio de soja e milho no Paraná (2018/2019)

Cortes dão sustentação à exportação de carne de frango

Produtor precisa seguir normas para armazenar, transportar e descartar agroquímicos

Exportações do agro devem atingir US$ 100 bilhões

Cotações da soja subiram nesta semana

Desempenho do frango vivo na 1ª semana de outubro

Negócios com grãos travam no Brasil com queda do dólar

Mais Destaques
"Ultrapassamos 16 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Aqui se propaga - 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)