Artigos

De médico, marqueteiro e louco, todo mundo tem um pouco

| 08/05/2018 - 21:00

Por Gislayne Muraro*
Costuma-se dizer que todo mundo (acha que) entende de futebol no Brasil: somos mais de 200 milhões de técnicos da seleção brasileira dando pitacos na escalação o tempo todo. Mas isso não acontece só com o Tite. Nós, marqueteiros e marqueteiras, também enfrentamos um pouco disso, ainda mais em um País como o Brasil, onde o gosto pela propaganda é bastante evidente na população, e todo mundo comenta e opina sobre ações de marketing.
Recentemente, passei o feriado com minha família em um hotel que me atraiu por conta da excelente comunicação publicitária. Tudo estava engrenado: site bem feito com fotos maravilhosas, campanha atraente, ações de marketing digital e de remarketing. Tudo impecável. E, assim, fui convencida e atraída a comprar e consumir o produto. No entanto, se me perguntarem se voltarei ao hotel, a resposta será um enfático NÃO! A boa comunicação e posicionamento da marca conseguiram me atrair, mas isso não basta. Os diversos problemas de atendimento, instalação, má vontade e falta de preparação dos funcionários impedem de me tornar uma fiel consumidora.
Essa experiência me remeteu a um ponto importante do livro “Marketing e comunicação na era pós-digital”, de Walter Longo, que fala que a diferença entre a teoria e a prática na gestão de marketing é que, na teoria, tudo é lógico e centralizado, e na prática, o processo que envolve a preservação e cuidado com a imagem da marca acaba sendo executado por outros departamentos, e muitas vezes, sem o envolvimento do marketing. Apenas os esforços e competências na comunicação não garantem fidelidade de um comprador. Cada vez mais os profissionais de marketing precisam ter um perfil de general e controlar com mais precisão e assertividade as ações da empresa, afinal, “não tem coisa pior que propaganda boa para um produto ruim”.
É claro que a voz de toda torcida (empresa) precisa ser ouvida: muitas vezes, quem vê de fora consegue enxergar detalhes que passam despercebidos por quem está envolvido no trabalho. Mas, ser um profissional de marketing não é para todo mundo. Dedicação, esforço e estudo fazem parte do processo para se tornar um. É claro que todos podem influenciar positiva e negativamente a imagem de uma marca, mas cabe ao marqueteiro identificar a melhor forma de lidar com isso, criando estratégias e táticas que garantam o posicionamento desejado.
Não é fácil, né? Mas, se fosse fácil, qualquer um faria. Mãos à obra!
* Gislayne Muraro é publicitária com especialização em planejamento e gestão de negócios e desenvolvimento gerencial. Diretora da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil - Seção Paraná (ADVB-PR), lidera há 7 anos a área de marketing do Grupo Massa onde ocupa o posto de diretora de marketing.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Artigos'

O rumo da prosperidade

Brasil, o país que melhor cuida do meio ambiente no mundo

Qual é o ganho do Brasil ao abrir as portas para os venezuelanos e refugiados?

Eu e o mundo

A realidade é dura

Nosso Futuro é Agro

No mundo passareis por tribulações, mas tende confiança, Eu venci o mundo

O futuro do mercado é grisalho!

A nova batalha de Nikaia

O verdadeiro desafio de Sérgio Moro na Justiça

Mais Destaques
"Já são 17 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Junte-se a quem de fato é lido - invista em propaganda onde sua marca ficará visível 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)