Regional

Prefeitos do Oeste buscam saídas para enfrentar redução de receitas

| 14/05/2018 - 14:35

Prefeitos do Oeste buscam saídas para enfrentar redução de receitas

Prefeituras sofrendo com a redução dos valores repassados pela União e Estados (FPM e Quota Parte do ICMS), principais fontes de receitas da grande maioria dos Municípios, e prefeitos ameaçados de sanções caso descumpram o estabelecido em Lei. Essa é a realidade exposta pelo prefeito de Maripá e presidente da Amop (Associação dos Municípios do Oeste do Paraná), Anderson Bento Maria, aos colegas prefeitos, durante a primeira Assembleia de prefeitos da atual diretoria da entidade. Levantamento feito pela Amop apontou uma realidade alarmante: das 54 prefeituras da região, 42 estão sob sinal de alerta do TCE (Tribunal de Contas do Estado), no tocante ao percentual dos gastos com folha de pagamento dos servidores públicos municipais. A legislação em vigor determina que, nos municípios brasileiros, o limite de pagamento a funcionários não pode ultrapassar 60% da RCL (Receita Corrente Líquida), sendo que 54% deste valor são destinados à folha da prefeitura e 6% para a Câmara Municipal. Caso ultrapasse esse limite com salários dos servidores, o gestor público poderá ser penalizado e o município deixar de receber transferências voluntárias da União, o que afetará ainda mais o desenvolvimento dos programas voltados ao cidadão. Com a redução das receitas, automaticamente o percentual dos gastos com folha aumenta. E, muitos dos gastos decorrem de compromissos que seriam de responsabilidade da União ou do Estado, como os consórcios de saúde, os conselhos tutelares e outras ações ou programas. Sobre esse assunto, a Amop está passando uma série de orienta- ções aos municípios associados, como redução de valores ou eliminação de funções gratifi cadas, redução de vencimentos e elimina- ção gradativa de cargos em comissão, suspensão de preenchimentos de cargos dos aprovados em concursos públicos, congelamento de avanços salariais. A Amop também está ultimando os preparativos para a XXI Marcha de Prefeitos à Brasília, que ocorrerá de 21 a 24 de maio deste ano, onde defenderá a eliminação de despesas decorrentes do desenvolvimento de ações criadas pela União ou Estados e que não deveriam ser de responsabilidade das prefeituras, bem como a revisão da Lei de Responsabilidade Fiscal, que com 18 anos, já se encontra desatualizada frente à realidade do país. Ainda, considera o presidente da Amop, “a diminuição da Receita Corrente Líquida acabará afetando a promoção de ações de melhoria da qualidade de vida da população e, em breve, a situação poderá se agravar, a ponto de inviabilizar a Administração diante do risco de um colapso fi nanceiro.”. E assim, com base nos índices preocupantes da região Oeste e que acenderam o sinal vermelho da Amop, o presidente Anderson pretende conclamar os governos estadual e federal no sentido de buscar a ampliação dos repasses fi nanceiros às prefeituras e encontrar caminhos, construídos mutuamente, que possam aplacar esses índices sem prejudicar a população e evitando o drama do desemprego. Fonte: AMOP

    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Regional'

Frimesa receberá R$ 1,1 bilhão para se instalar em Assis Chateaubriand

Marechal Rondon é medalha de ouro no Paraná em coleta de lixo

Maripá recebe mais de meio milhão de reais para assistência social

Avança o recape asfáltico entre Porto Mendes e Três Irmãs

Colégio da PM em Foz passará por processo gradual de transição

Cooperativa do Oeste foi à Brasília debater lei de comércio de alimentos de origem animal

Cida e Ratinho Junior abrem encontro de prefeitos em Foz do Iguaçu

Resultados do Projeto Sons & Gestos foram apresentados em Marechal

PTI lança laboratório de tecnologias para cidades inteligentes

Mais Destaques
"Já são 17 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Junte-se a quem de fato é lido - invista em propaganda onde sua marca ficará visível 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)