AgroGazeta

Cotações do milho acabaram recuando nesta semana

| 15/05/2018 - 20:25

Cotações do milho acabaram recuando nesta semana

As cotações do milho, após flertarem com os US$ 4,00/bushel na semana passada, acabaram recuando um pouco nesta semana, em US$ 3,94/bushel. Dois elementos estiveram no centro das atenções do mercado: as condições climáticas nos EUA e na safrinha brasileira; e as projeções para o relatório de oferta e demanda do USDA.
Quanto ao clima nos EUA, o excesso de chuvas tem atrasado o plantio, causando preocupação quanto a possibilidade de áreas de milho serem transferidas para a soja. Neste sentido, até o dia 06/05 o plantio do cereal chegava a 39% da área, contra 44% na média histórica e 45% no ano passado nesta época. Lembramos que até o dia 10/05 o plantio deveria chegar a 50% da área esperada para ser considerado dentro da normalidade (sobre o clima na safrinha brasileira, veja mais abaixo).
Quanto ao relatório do USDA, o mercado esperava para 2018/19, nos EUA, uma produção de 358 milhões de toneladas, enquanto os estoques finais ficariam em 41,4 milhões de toneladas.
Paralelamente, as exportações estadunidenses de milho melhoraram na última semana, atingindo a 1,94 milhão de toneladas. Existe expectativa de que o Brasil e a Argentina, em função de perdas respectivamente na safrinha e na safra de verão de milho, comecem a diminuir suas vendas externas do cereal, fato que abre maior espaço para o milho dos EUA.
Na Argentina, a colheita chegava a 32% da área semeada, com chuvas intensas durante a semana em muitas regiões. Ou seja, aquilo que faltou durante o verão argentino agora começa a sobrar, atrasando a colheita. Ainda na Argentina, a tonelada FOB de milho fechou a semana na média de US$ 193,00, enquanto no Paraguai a mesma ficou em US$ 185,00.
Já no Brasil, os preços do milho se mantiveram firmes, especialmente agora em que a quebra na safrinha nacional vai se consolidando. Assim, o balcão gaúcho fechou a semana na média de R$ 34,76/saco, enquanto os lotes ficaram entre R$ 41,00 e R$ 42,00/saco. Nas demais praças nacionais os lotes oscilaram entre R$ 23,50 em Sorriso e Campo Novo do Parecis (MT) e R$ 42,00/saco em Videira, Chapecó e Concórdia (SC).
Em São Paulo há grande preocupação com a falta de chuvas nas regiões da Sorocabana, Vale do Paranapanema e Norte do Paraná. As lavouras de safrinha destas regiões podem registrar perdas totais antes mesmo de entrarem em polinização. E mesmo que chova nos próximos dias, já há perdas irreversíveis. No Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Minas Gerais as lavouras de safrinha já registrariam perdas entre 30% a 40%. Com isso, se ocorrerem chuvas nos próximos dias as mesmas apenas estancariam os prejuízos, porém, dificilmente os recuperaria. Em muitas regiões há risco de perdas históricas na safrinha. E o melhor comportamento climático no Mato Grosso e em Goiás não seria suficiente para dar conta das perdas no restante do Centro-Sul brasileiro (cf. Safras & Mercado).
Neste sentido, os preços no referencial Campinas (SP) continuaram subindo, e bateram em R$ 43,00 a R$ 44,00/saco no CIF disponível. Na Sorocabana paulista atingiram a R$ 40,00/saco. Nos portos de Santos e Paranaguá o saco de milho já está cotado entre R$ 39,50 e R$ 40,50. Diante disso, quem possui milho começa a retê-lo em maior intensidade, provocando novas altas em seus preços.
Neste contexto, as exportações podem encontrar dificuldades em se realizar, mesmo com um câmbio ao redor de R$ 3,60 neste momento. Isto porque o mercado interno começa a disputar milho com o setor exportador. Assim, a pressão altista sobre os preços do milho deve continuar enquanto não se definir o quadro climático da safrinha e o câmbio no país.
Visando conter um pouco a alta dos preços aos consumidores de milho, a Conab realizou mais leilões de estoques públicos oficiais na semana, porém, negociou apenas 5,8% das 186.656 toneladas ofertadas. Novos leilões estão previstos para o dia 16/05, com oferta de 200.000 toneladas.
Enfim, vale destacar que a safrinha do Centro-Sul brasileiro, até este início de maio, havia sido comercializada em 30% do total esperado, contra 55% no mesmo período do ano passado.
Fonte: Agrolink Com. Inf. Assessoria
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'AgroGazeta'

Soja: Preços sobem nos portos e caem no interior

Plantio de soja chega a 95% da área no Paraná

Custos de produção de suínos e de frangos de caíram

Procura impulsiona valores do milho

Parceria entre Emater e Ocepar incentiva pequenas cooperativas

Exportações e demanda interna elevam preços dos suínos

CNA debate normas técnicas da avicultura

Repasse e assistência técnica melhoram a vida de 4,7 mil agricultores

Ministério descarta risco à exportação de carne do Brasil após discussão sobre embaixada

Porto de Paranaguá já supera exportações de grãos de 2017

Mais Destaques
"Já são 17 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo. Junte-se a quem de fato é lido - invista em propaganda onde sua marca ficará visível 45 9.91339499"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)