Estado

Curso sobre intoxicação por agrotóxico reúne 60 profissionais da área da saúde

| 25/09/2018 - 18:30

A atenção em saúde às populações expostas aos agrotóxicos foi tema de uma capacitação promovida pela Secretaria de Estado da Saúde no início desta semana, na segunda e terça-feira (24 e 25). O encontro reuniu cerca de 60 profissionais da atenção primária, vigilância e técnicos da área, na Escola de Saúde Pública, em Curitiba.
O chefe da Vigilância Sanitária estadual, Paulo Costa Santana, explicou que objetivo da oficina foi apoiar tecnicamente e capacitar os profissionais da saúde como multiplicadores do fortalecimento à rede de atenção primária.“Nossa expectativa é fazer a integração entre a atenção primária e a vigilância em saúde na identificação precoce e tratamento das pessoas intoxicadas, além de focar em ações de prevenção e promoção à saúde, conscientizando os profissionais e agricultores sobre a exposição e os riscos que os agrotóxicos causam à saúde humana”, ressalta.
CAPACITAÇÃO – A oficina foi planejada principalmente por conta do aumento de intoxicações por agrotóxicos no estado. O Paraná está entre os maiores produtores agrícolas do Brasil e faz uso de agrotóxico em grande parte das lavouras. É o segundo estado com maior número de intoxicações, de acordo com dados do Ministério da Saúde do período de 2007 a 2014, totalizando mais de 10 mil casos.
O chefe da Vigilância Sanitária, explica que os índices também levam em conta o fato de o Estado ser um dos maiores consumidores do produto, ocupando a terceira posição nacional no uso de químicos para o controle de pragas rurais e urbanas, refletindo na contaminação ambiental e alimentar.
“Um terço dos vegetais e legumes consumidos cotidianamente pelos brasileiros está contaminado, no entanto, esse número pode não representar adequadamente as dimensões do problema. Por isso, é nossa missão, como vigilantes da saúde, estabelecer parâmetros de prevenção e conscientização”, destaca Paulo Santana.
PREVENÇÃO - O médico veterinário Gilberto de Quadros, um dos participantes da palestra, comentou sobre a importância da capacitação para sua rotina de trabalho. “Nossa missão antes de tudo é fazer a prevenção de agravos relativos ao uso de agrotóxicos, ou seja, nossa meta é tentar diminuir o máximo possível o uso desse produto e garantir a qualidade de vida da população”, fala o médico.
Desde o início do ano, a secretaria estadual da Saúde já realizou outros ciclos de capacitações sobre agrotóxicos nas macrorregionais Oeste, Norte e Noroeste. Além disso, o Paraná também implementou o Plano Estadual de Vigilância e Atenção à Saúde de Populações Expostas aos Agrotóxicos para controle do uso de químicos em alimentos.
TOXICIDADE - Os agrotóxicos são componentes químicos utilizados na agricultura para o controle de pragas nas lavouras, no controle de pragas domésticas e na saúde pública para o controle dos vetores de doenças. Devido sua toxicidade e o uso excessivo, são uma das principais causas de morbidade e mortalidade no país.
No Estado, dos 399 municípios, 132 (33%) consomem produtos com a quantidade de agrotóxicos acima da média estadual, sendo Cascavel o maior consumidor, com aproximadamente 3.665 toneladas anuais.
“Vamos diminuir esses números com ações integradas de assistência e vigilância em saúde, em parceria com os órgãos de agricultura, meio ambiente, universidades, ministério público, controle social da saúde e da sociedade”, finaliza o chefe da Vigilância Sanitária.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Estado'

Empreiteira Endeal Engenharia é homenageada pelo Ministério da Justiça

Nova lei assegura recursos para o programa de tarifa rural noturna

Mais Destaques
"Já foram 19 milhões que acessaram o site do Jornal Gazeta de Toledo- ISENÇÃO E VERDADE!"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)