Regional

Itaipu: 40 anos do desvio do Rio Paraná

| 22/10/2018 - 16:55

Itaipu: 40 anos do desvio do Rio Paraná

O desvio do Rio Paraná, no dia 20 de outubro de 1978, três anos após o início das obras da Hidrelétrica de Itaipu, cumprindo rigorosamente o cronograma previsto, foi o grande e obrigatório evento que permitiu a execução da estrutura em concreto da barragem, no leito do Rio Paraná.
Importante apontar a importância desse evento, mas também aproveitar a oportunidade para resgatar o valor e a capacidade da engenharia brasileira quando da construção de Itaipu: tecnologia de ponta desenvolvida na execução do projeto pelas empresas brasileiras de engenharia; tecnologia de ponta desenvolvida pelas construtoras brasileiras na execução da obra; tecnologia de ponta na montagem eletromecânica pelas montadoras brasileiras; e tecnologia de ponta na fabricação dos equipamentos eletromecânicos pelos fabricantes nacionais.
A engenharia brasileira necessita resgatar hoje a alta tecnologia materializada na construção de Itaipu para projetar e executar as obras de infraestrutura que o Brasil tanto carece.
Quero homenagear na pessoa da minha esposa, Maria Aparecida, todas as esposas dos funcionários envolvidos na construção de Itaipu, heroínas anônimas: sem esse indispensável apoio, seria impossível aos trabalhadores cumprirem sua missão com tranquilidade.
Quero homenagear nossos filhos, nas pessoas dos meus filhos Gisele, Gustavo, Giuliana e Gabriel. Com nossos filhos completamos nossas famílias, formando uma única família, a família de Itaipu, sempre presente e atuante na construção da obra.
Quero homenagear os funcionários presentes no canteiro de obras, nas pessoas dos engenheiros Rubens Vianna de Andrade (Itaipu) e Francisco Fortes Filho (Unicon), Leopoldo Seifart (Itaipu-Paraguai) e Juan Carlos Wamosy (Conempa).
Quero homenagear os funcionários do projeto Acary-Iguazu, o maior centro de treinamento dos funcionários paraguaios para o início da construção de Itaipu.
Meus agradecimentos ao Exército Brasileiro pela minha formação profissional, que permitiu a minha contribuição para a construção de Itaipu.
Graduei-me como oficial da Arma de Engenharia pela AMAN, Academia Militar das Agulhas Negras, e engenheiro civil pelo IME, Instituto Militar de Engenharia.
Após 20 anos, com promoção assegurada como coronel, pedi demissão do serviço ativo do Exército Brasileiro, que muito honro, para me dedicar à construção de Itaipu. Como comentava meu amigo general Ítalo Avena, diretor do DEC, Departamento de Engenharia e Construção do Exército, “a pele verde não desgruda do corpo jamais”.
Na comemoração dos 40 anos do desvio do Rio Paraná, é desnecessário comentar os fantásticos números de Itaipu. Assim, preferi exaltar o valor e a abnegação dos funcionários e de suas distintas famílias, envolvidos na construção da hidrelétrica de Itaipu.
Concluindo, conclamo aos brasileiros: vamos resgatar de imediato a invejável tecnologia da engenharia brasileira materializada com êxito total no projeto e execução das obras da Hidrelétrica de Itaipu.
Texto enviado por Hugo José Ribas Branco, engenheiro civil que foi superintendente de obras do consórcio responsável pela construção de Itaipu.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Regional'

Após desabamento em Cascavel, inspeção predial deve virar lei

'Maníaco da Torre' é condenado a 21 anos e 4 meses de prisão

Palotina investe no Parque Industrial

Maripá fará coleta de lixo eletrônico

Lançada cooperativa de energias renováveis no oeste do Paraná

Brasil e Paraguai reforçam Integração regional a partir do modelo da Itaipu

Prefeitura de Maripá faz recapeamento na cidade

Terra Roxa emite alerta para “síndrome mão-pé-boca”

Copel Telecom é a melhor operadora de banda larga do país

Agricultura familiar terá prioridade em Maripá

Mais Destaques
"18 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo- ISENÇÃO E VERDADE!"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)