Economia

Novos negócios aumentam com otimismo pós-eleitoral

| 05/12/2018 - 16:05

Cozinheiros finalizam pratos em foto ilustrativa. Reuters/Pilar Olivares.

O crescimento no volume de novos negócios se intensificou em novembro com o otimismo pós-eleitoral e a atividade de serviços no Brasil expandiu no ritmo mais forte em nove meses, de acordo com a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) publicada nesta quarta-feira.
Em novembro, o PMI de serviços do Brasil subiu a 51,3 depois de atingir 50,5 no mês anterior, informou o IHS Markit, permanecendo acima da marca de 50 que indica expansão dvido a uma demanda mais forte não só do mercado interno, como também do exterior.
“Os dados do PMI indicam que o Brasil passou para uma recuperação mais equilibrada...uma vez que as empresas e os consumidores demonstraram um aumento do otimismo pós-eleição”, disse em nota a economista do IHS Markit Pollyanna De Lima.
“Os dados do meio do trimestre sugerem que o PIB está a caminho de uma recuperação no último trimestre de 2018”, completou.
O aumento na quantidade de novos negócios no segundo ritmo mais rápido em quase seis anos se deu em um ambiente de otimismo após as eleições presidenciais, com os entrevistados citando conquistas de novos clientes e campanhas de marketing como fatores que impulsionaram a demanda.
Pela primeira vez em quase quatro anos todas as cinco categorias monitoradas no setor de serviços brasileiro apresentaram elevação no volume de novos trabalhos, de acordo com o IHS Markit.
Os novos trabalhos provenientes do exterior também cresceram, encerrando uma série de 43 meses de contração, em meio a campanhas de marketing consideradas eficazes e taxas de câmbio favoráveis.
Mesmo assim, os fornecedores de serviços continuaram em busca de conter os custos e reduziram o número de funcionários em novembro, após criação de vagas no mês anterior. Somente os subsetores de Finanças e Seguros e de Serviços ao Consumidor registraram criação de empregos, mas ainda assim a queda no nível de vagas foi modesta.
O mês foi ainda marcado por preços mais altos de eletricidade, água, combustíveis, aluguel e transportes, mas a taxa de inflação de custos ainda assim foi a um recorde de baixa de seis meses. Assim, os preços de venda aumentaram, mas em ritmo mais fraco do que em outubro.
Os fornecedores de serviços brasileiros permaneceram otimistas em novembro, com as empresas indicando que a mudança de governo, os planos de investimento, as aquisições de equipamentos e previsões de turismo maior tenderão a ajudar o crescimento da produção no decorrer do próximo ano.
Com a melhora também da indústria em dezembro, o PMI Composto do Brasil subiu ao nível mais alto em nove meses de 51,6, contra 50,5 em outubro.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Economia'

Número de empresas abertas no Paraná cresce 14% em janeiro

Nascidos em março e abril começam a receber abono salarial do PIS 2017

Metade dos brasileiros extrapola vale-refeição. Veja como fazer o VR durar

Receita Federal invalida CNPJ de 3,3 milhões de empresas

Golpes com cheques e cartões prejudicam 11% das pequenas empresas

Cohapar consegue economia de 22%

Bolsonaro entrega hoje reforma da Previdência ao Congresso

Exportações para a China devem crescer menos neste ano

Confiança dos micro e pequenos empresários cresce, diz pesquisa

Estados poderão cobrar alíquotas extras para reequilibrar Previdência

Mais Destaques

Moda

Estilo Sensual/Sexy

Segurança

PRF e Denarc apreendem 34 pistolas e 2.300 munições no oeste paranaense

Geral

Ministério Público e entidades estaduais firmam Pacto pela Infância

Estado

Exportações paranaenses de caminhões crescem 244% em janeiro

Esporte

Palotina e Santa Helena estarão na Copa Integração

Política

Bolsonaro nomeia militares na Itaipu

Cidade

Comissão Intersetorial discute Educação Ambiental

Gente X Poder

Cidade melhor para se viver

"18 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo- ISENÇÃO E VERDADE!"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)