Artigos

Propaganda bilionária

| 08/01/2019 - 14:36

Foto: Agência Brasil

Um dos subcapítulos, no quadro geral dos escândalos de corrupção que veio à tona e que ainda necessita ser devidamente colocado no papel, diz respeito aos gigantescos gastos feitos nesses últimos anos sob as rubricas publicidade e propaganda oficiais. Nesse quesito, não chega a ser surpresa que os maiores volumes de dinheiro público foram torrados justamente durante o período em que o Partido dos Trabalhadores esteve no poder.
Uma simples conferida no quadro dessas despesas, realizada ano a ano pelo Instituto de Acompanhamento da Publicidade, mostra que em 2003 os gastos com publicidade ficaram na casa de R$ 1,3 bilhão e foram sendo aumentados a cada ano, chegando em 2013, no governo Dilma Rousseff, a aproximadamente R$ 3 bilhões. No total, somente com despesas de publicidade de propaganda os governos petistas gastaram aproximadamente um total de R$ 26,5 bilhões oficialmente com essa rubrica.
Não se sabe com precisão o valor desses gastos, pois nessas despesas entram itens diversos como campanhas de utilidade pública, como é o caso das realizadas pelo Ministério da Saúde com vistas a informar a população sobre a necessidade de vacinação, combate a doenças e outras. Entram também nesses cálculos, as despesas com propaganda das estatais, com a divulgação de obras e de programas governamentais, com balanços, relatórios e outros de publicação obrigatória.
Nos governos petistas, além dos altos custos para o contribuinte, os serviços de propaganda e publicidades, centralizados na Secretaria de Comunicação (Secom), obedeciam a critérios de distribuição dessas verbas claramente ideológicos, sendo que as maiores parcelas desses recursos iam parar nas mãos daquelas empresas que apoiavam abertamente o governo.
Não por outra razão, as mídias sociais aliadas ao governo e todos os veículos de comunicação simpáticos às ideias petistas foram sobejamente abastecidas com esses recursos públicos, fazendo, desse período de treze anos, um verdadeiro ciclo do ouro para essas agências. Ao lado dos cartões corporativos, esses gastos, por seus valores, recebem pesadas críticas dos cidadãos e das entidades ligadas à transparência pública.
Na verdade, a maioria dessas despesas, confrontadas com os fatos, não resistiria à um pente fino mais minucioso, caso fossem submetidas ao escrutínio rigoroso e isento de uma Comissão parlamentar de Inquérito, muitos desses dispêndios levariam seus autores à condenação certa. Tristemente no nosso país, onde existem verbas públicas e políticos por perto, o resultado normalmente vai contra qualquer conduta ética aceitável. Atentos a possibilidade de vir a ser fonte de bisbilhotices por parte da sociedade, o governo Temer, resolveu interromper os serviços do Instituto para Acompanhamento da Publicidade (IAP), que vinham sendo realizados desde 1999. A entidade paraestatal era financiada por 1% extraído do faturamento das agências de publicidade e de empresas públicas, coletava e organizava os dados sobre a publicidade da União, o que permitia, ao cidadão, ter uma noção, mais aproximada da verdade sobre esses gastos. Com isso, perde o cidadão e contribuinte, que ficam sem saber o destino dado ao seu próprio dinheiro, principalmente quando esses recursos são gastos numa área ainda nebulosa, para muitos brasileiros.
VISTO, LIDO E OUVIDO Criada por Ari Cunha (In memoriam)
jornalistacircecunha@gmail.com
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Artigos'

Seu dinheiro já não é (e nunca mais será) o mesmo

A bondade do Senhor é para sempre

As novas possibilidades profissionais do plástico

Inovação: a alavanca para o setor de materiais de construção

A percepção dos estudantes sobre os direitos humanos

Quais as vantagens em terceirizar serviços?

Agronegócio e o plano de Estado

Todo psicoterapeuta é saudável?

Caminhe na direção da felicidade

Representante comercial: uma solução para diminuir o desemprego

Mais Destaques
"18 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo- ISENÇÃO E VERDADE!"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)