AgroGazeta

Municípios do Oeste têm como prioridade a sanidade animal

| 07/02/2019 - 14:55

Foto: AEN

São 54 municípios, cuja atividade econômica constitui o maior centro produtor de proteína animal do Brasil
O secretário estadual da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, reuniu-se na última terça-feira (05) com representantes dos municípios do Oeste do Paraná, no Show Rural, em Cascavel, para debater a sanidade animal da região.
São 54 municípios, cuja atividade econômica constitui o maior centro produtor de proteína animal do Brasil, e para isso alegam que precisam do apoio do governo do Estado no avanço para que o Paraná seja declarado como livre de febre aftosa, sem vacinação.
O secretário disse que a condição técnica para conquistar esse status já foi solicitado pela Secretaria de Estado da Agricultura e a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar). A reunião foi promovida pelo programa Oeste em Desenvolvimento, entidade que conta com a participação de órgão públicos e privados.
Segundo Ortigara, foram cumpridas 90% das pendências sanitárias e faltam poucos detalhes determinados por duas auditorias feitas pelo Ministério da Agricultura, cujas providências estão sendo adotadas. Para ele, agora a questão é mais política do que técnica.
O processo sofre restrições por parte de pecuaristas que trazem gado de outros Estados e não estão satisfeitos com o fechamento de fronteiras interestaduais para cargas vivas, disse Ortigara. O fechamento das fronteiras seria uma determinação do Ministério da Agricultura, conforme exige o protocolo.
Segundo o empresário Elias Zydek, de Medianeira, 65% do mercado externo está fechado para compra da carne suína paranaense porque ainda se vacina bovinos contra febre aftosa. A vacinação é dirigida apenas a este setor, mas a ação restritiva provoca impactos nas exportações de aves e suínos.
O programa Paraná Oeste em Desenvolvimento e vai contar com investimentos da Itaipu Binacional para a região Oeste do Paraná. Entre os investimos previstos foi eleito como prioridade a sanidade animal.
Entre as metas já estabelecidas pelo programa, até 2020 serão implantados 54 Conselhos de Sanidade Agropecuária no Oeste do Paraná, que vão interagir com a sociedade e com o poder público. A preocupação é manter a biosseguridade em suinocultura, disse Zydek.
Fonte: AEN
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'AgroGazeta'

Deral reduz previsão para safra de soja 2018/19 do Paraná

Produção leiteira ganha metodologia italiana no oeste do Paraná

Argentinos querem que Brasil aprove trigo transgênico

Alojamento de pintainhas de postura comercial teve queda mensal de 3,8%

Curso de operação de drones para produtores rurais paranaenses

Erva-mate do Paraná ganha destaque internacional

Embora estável, custo do frango aumenta quase 14% em um ano

Estados do Sul querem avançar em sanidade na produção de leite

Governo diz que vai intensificar combate ao feminicídio

Milho e soja tem alta na primeira quinzena de fevereiro

Mais Destaques

Geral

Ministério Público e entidades estaduais firmam Pacto pela Infância

Política

Bolsonaro nomeia militares na Itaipu

Gente X Poder

Cidade melhor para se viver

Moda

Estilo Sensual/Sexy

Cultura

Toledo é a 7ª cidade mais desenvolvida do País

Estado

Exportações paranaenses de caminhões crescem 244% em janeiro

Segurança

PRF e Denarc apreendem 34 pistolas e 2.300 munições no oeste paranaense

Esporte

Palotina e Santa Helena estarão na Copa Integração

"18 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo- ISENÇÃO E VERDADE!"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)