Economia

Índice de Clima Econômico volta para patamar positivo depois de um ano

| 11/02/2019 - 17:20

A última vez que o Brasil tinha registrado uma pontuação acima de zero havia sido em janeiro de 2018

O Índice de Clima Econômico do Brasil registrou, em janeiro, o primeiro índice positivo depois de três trimestres com patamar negativo. O Brasil teve a maior alta da América Latina, ao passar de -33,9 pontos para 3,6 pontos, em uma escala de 200 pontos (que varia de menos 100 a 100). Na última pesquisa, feita em outubro de 2018, a pontuação era de menos 33,9 pontos.
A última vez que o Brasil tinha registrado uma pontuação acima de zero havia sido em janeiro de 2018 (4,3 pontos). Na média dos últimos dez anos, no entanto, o país ainda registra uma pontuação negativa (menos 9,9 pontos). A pesquisa, realizada pela Fundação Getulio Vargas (FGV), se baseia na avaliação de especialistas de economia do país.
O que puxou a melhora do indicador foi o Índice de Expectativas, que registrou 88 pontos em janeiro. Em outubro de 2018, a pontuação era de 25,9 pontos.
Já o Índice da Situação Atual, apesar de apresentar melhora, continuou em patamar negativo em janeiro (-56 pontos). Em outubro do ano passado, a pontuação era de menos 77,8 pontos.
A pesquisa também é realizada em outros países, em colaboração com o instituto alemão Ifo. Na média, o Indicador de Clima Econômico da América Latina teve uma leve melhora de outubro para janeiro, apesar de continuar em patamar negativo, ao passar de -10,7 para -9,1 pontos.
Entre os 11 países latino-americanos pesquisados, o Brasil está em sexto lugar, atrás de Paraguai (23,6 pontos), Chile (13,6), Bolívia (12,4), Colômbia (8,8) e Peru (5,5). O país está à frente de Argentina (-30,8), Equador e México (-41,9), Uruguai (-18,9) e Venezuela (-100).
Entre os Brics, o Brasil está atrás apenas da Índia (10,4 pontos) e à frente de Rússia (-22,1), África do Sul (-33,7) e China (-38,8). Outros países e regiões pesquisados são União Europeia (-13), Estados Unidos (-2,9), Japão (-18,9), Alemanha (11,5), França (-23,8) e Reino Unido (-46,7).
Fonte: Agência Brasil.

    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Economia'

Número de empresas abertas no Paraná cresce 14% em janeiro

Nascidos em março e abril começam a receber abono salarial do PIS 2017

Metade dos brasileiros extrapola vale-refeição. Veja como fazer o VR durar

Receita Federal invalida CNPJ de 3,3 milhões de empresas

Golpes com cheques e cartões prejudicam 11% das pequenas empresas

Cohapar consegue economia de 22%

Bolsonaro entrega hoje reforma da Previdência ao Congresso

Exportações para a China devem crescer menos neste ano

Confiança dos micro e pequenos empresários cresce, diz pesquisa

Estados poderão cobrar alíquotas extras para reequilibrar Previdência

Mais Destaques

Gente X Poder

Cidade melhor para se viver

Segurança

PRF e Denarc apreendem 34 pistolas e 2.300 munições no oeste paranaense

Cultura

Toledo é a 7ª cidade mais desenvolvida do País

Política

Bolsonaro nomeia militares na Itaipu

Moda

Estilo Sensual/Sexy

Estado

Exportações paranaenses de caminhões crescem 244% em janeiro

Cidade

Comissão Intersetorial discute Educação Ambiental

Esporte

Palotina e Santa Helena estarão na Copa Integração

"18 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo- ISENÇÃO E VERDADE!"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)