AgroGazeta

Reunião traz novo alerta sobre Peste Suína Africana

| 14/03/2019 - 16:00

Encontro contou com a presença do coordenador dos Programas Nacionais de Sanidade Animal do Ministér

Reunidos em Porto Alegre, quase 30 representantes de produtores, agroindústrias, universidades e serviço veterinário privado e oficial debateram as ameaças sanitárias que a suinocultura gaúcha enfrenta. Juntos, o Conselho Técnico Operacional de Suinocultura do Fundesa, e o Comitê Estadual de Sanidade Suína buscaram pontos em comum para a prevenção e o controle de enfermidades que podem atingir o rebanho suíno.
O encontro contou com a presença do coordenador dos Programas Nacionais de Sanidade Animal do Ministério da Agricultura, Jorge Caetano Júnior. Ele destacou a importância de uma reunião como esta para a proposição de políticas a serem adotadas, tanto pelo serviço veterinário oficial, quanto na iniciativa privada. “São medidas que devem ser discutidas nacionalmente, levando e conta a particularidade de cada região. O RS tem uma preocupação adicional em função da fronteira seca com outros países”, destacou.
Uma das enfermidades abordadas foi a Peste Suína Africana. A doença já está presente em vários países e praticamente tomou todas as regiões da China. Conforme o representante da Associação dos Criadores de Suínos do RS, Flaury Migliavaca, se essa doença chegar a ser registrada no Brasil, os prejuízos são incalculáveis. “Será o fim da suinocultura brasileira. Por isso todo o cuidado é pouco”. Ele se refere às medidas de biosseguridade que consistem, em primeiro lugar, na restrição de acesso de pessoas estranhas às granjas. O controle da origem dos insumos e produtos também faz parte dos cuidados a serem tomados.
Algumas indústrias, especialmente as exportadoras, estão trabalhando com medidas extremas para evitar o ingresso de quaisquer vírus nas granjas integradas. A empresa Aurora Alimentos, que tem plantas no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, não permite o acesso de visitantes como vendedores, técnicos e até mesmo representantes do serviço veterinário de outros países. “Depois da chegada à cidade e após banho e troca de roupas, acomodamos a comitiva em uma van, na entrada da propriedade e transmitimos, através de uma chamada de vídeo, imagens e documentos de dentro da granja, com o responsável técnico e o proprietário respondendo eventuais perguntas”, explica a médica veterinária Eliane Núncio, da Aurora.
Segundo o presidente do Fundesa, Rogério Kerber, o principal produto do encontro é a definição de grupos para elaborar materiais para sensibilizar técnicos e produtores. ”Nos próximos dias haverá novas reuniões com a presença de representantes de outros estados para a troca de experiências”, concluiu.
Fonte: Agrolink
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'AgroGazeta'

China autoriza importação de gordura de porco do Brasil

Começa mais uma campanha de vacinação contra aftosa

Novo Zoneamento Agrícola de Risco Climático da Uva é publicado

Mais Destaques
"Já foram 19 milhões que acessaram o site do Jornal Gazeta de Toledo- ISENÇÃO E VERDADE!"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)