AgroGazeta

Conservar o solo é garantir o futuro

| 15/04/2019 - 14:45

Conservar o solo é garantir o futuro

O Dia Nacional da Conservação do Solo é comemorado anualmente no Brasil sempre no dia 15 de abril. A sua instalação é resultado da aprovação em 13 de novembro de 1989 da Lei Federal 7.876. A conservação e proteção do solo deve ser uma missão de todos os agricultores do nosso país, que tiram dele o sustento para si e seus familiares, e produzem alimentos para o Brasil e o mundo.

Nas regiões da Coamo, os agricultores associados da cooperativa vem fazendo a sua parte e participando do processo evolutivo nos trabalhos de conscientização com a utilização de ferramentas que tornaram possível ao longo dos anos o uso de tecnologias para a melhoria dos sistemas de plantio e cuidados com o solo. “Conscientizar os produtores, no início, principalmente na década de 70, na região de Campo Mourão, de que o controle da erosão era o único futuro para a agricultura não foi tarefa fácil. Felizmente, conseguimos aos poucos introduzir as técnicas de conservação do solo e plantio direto, as quais, literalmente, foram a salvação da lavoura”, lembra o engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini, diretor presidente da Coamo.

PNCS - A cidade de Campo Mourão sediou em 4 de setembro de 1976, na Praça Bento Munhoz da Rocha Netto - conhecida como a “Praça do Fórum”, um grande acontecimento. Ela foi escolhida para sediar o lançamento do Plano Nacional de Conservação de Solos (PNCS). No local está exposto um monumento alusivo à conservação de solos. O evento contou com a participação do ministro da Agricultura, Alysson Paulinelli, do governador Jaime Canet Júnior, do secretário estadual da Agricultura Paulo Carneiro Ribeiro, do presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, autoridades e milhares de pessoas, que acreditavam chegar ao fim a caminhada desenfreada da erosão em todas as terras brasileiras.

Pioneiros - Entre essas ferramentas para conservar o solo está o plantio direto. Campo Mourão foi a segunda cidade do Brasil a implantar o sistema que revolucionou a agricultura brasileira. Com o pioneirismo dos agricultores Joaquim Peres Montans, Antonio Álvaro Massareto e Ricardo Accioly Calderari, Gabriel Borsato e Henrique Gustavo Salonski (in memorian), – cooperados da Coamo, o sistema de Plantio Direto está completando 46 anos de implantação na região Centro-Oeste do Paraná.

No final da década de 70, a região de Campo Mourão contava com dez mil hectares de PD. Mas, foi a partir dos anos 80 que a tecnologia teve o seu grande momento. “Em 1984 já tínhamos catalogado na região de Campo Mourão cerca de 60 mil hectares de lavouras em PD. Hoje, o sistema ocupa praticamente 100% das áreas de cultivo da região”, comemora Joaquim Mariano Costa, chefa da Fazenda Experimental da Coamo.

Terras lavadas - Quem comemora o sucesso da agricultura com o advento do Plantio Direto é o engenheiro agrônomo Ricardo Accioly Calderari, diretor-secretário da Coamo. “O progresso foi tão grande nos últimos 42 anos que os novos agricultores nem imaginam como eram os solos e a agricultura lá na década de 70”, diz. Calderari lembra que os agricultores na época, tinham duas grandes preocupações: precisavam de chuva, mas quando chovia, às vezes nem precisava ser muito forte, para que as terras fossem literalmente ‘lavadas’ e tudo se perdia, a lavoura e o solo. “Se existe agricultura hoje é porque existe o plantio direto”, conta.

Comunicação Coamo

    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'AgroGazeta'

China autoriza importação de gordura de porco do Brasil

Começa mais uma campanha de vacinação contra aftosa

Novo Zoneamento Agrícola de Risco Climático da Uva é publicado

Mais Destaques
"Já foram 19 milhões que acessaram o site do Jornal Gazeta de Toledo- ISENÇÃO E VERDADE!"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)