Artigos

Quo Vadis UnB

| 16/04/2019 - 19:00

Fôssemos apontar aquelas instituições públicas que realmente podem ser consideradas como as joias da sociedade por sua importância para o futuro, sem dúvidas, a Universidade de Brasília estaria num dos primeiros lugares. Nenhuma sociedade logrou se desenvolver sem o auxílio de um amplo conjunto de pessoas dedicadas ao saber e às ciências. Ainda mais no mundo atual, onde a tecnologia e o conhecimento científico ditam os rumos de uma Nação.
De fato, não existe hoje um país que tenha alcançado o status de desenvolvido sem que tenha investido tempo e recursos em suas universidades e centros de pesquisa. Não é por outra razão que da sociedade são drenados anualmente vultosos recursos para o pleno funcionamento dessas instituições.
É preciso destacar ainda que a grande maioria da população que paga seus impostos de forma direta e indireta e que custeiam as universidades públicas, como é o caso da UnB, jamais irão frequentar essas instituições por razões diversas. Mas ainda assim esperam que essas entidades sejam capazes de produzir e elaborar projetos que melhorem e facilitem a vida dos cidadãos, tanto no campo intelectual, como no campo prático.
Dessa forma, é possível deduzir que, sobre as cabeças pensantes da Universidade, pesem enormes e difíceis responsabilidades, muito maiores do que as atribuídas ao homem comum. Das universidades espera-se muito, inclusive soluções para um país que anda a passos trôpegos nesse início de século. Colocado dessa maneira, o que a sociedade não pode tolerar é que as Universidades públicas continuem fechadas em torno de si, discursando para dentro, panfletária e submissa a ditames de partidos, queimando a bandeira nacional, perseguindo quem ousa se opor aos ventos gélidos vindos de uma Europa Oriental que já não existe nem nos mapas escolares.
Avessa ao que passa ao redor, nossa universidade perdeu o importante protagonismo e já não consegue formular propostas reais para os graves problemas que a sociedade enfrenta. Nesse sentido e à guisa de exemplo, chama a atenção a invasão de áreas dentro e nas bordas da UnB pelos chamados catadores de papel e carroceiros. Também no Setor de Embaixadas Norte e Finatec.
Tratam-se de invasões antigas que vêm aumentando significativamente nesses últimos anos. Cheias de crianças descalças, lixo por todo o lado, trapos de barracas, mulheres cansadas e homens circulando com carrinho de supermercado em busca de lixo prestável.
Uma visita rápida nas estantes da biblioteca dessa instituição, é possível encontrar livros e trabalhos de sociologia e antropologia e outras ciências humanas que tratam dessa e de outras questões correlatas de forma teórica. Surpreende que a UNB conviva diariamente com essa realidade e não consiga elaborar um mísero projeto – até de forma didática – para minorar esse problema.
Onde estão os intelectuais dessa instituição que não se apresentam, onde estão os estudantes que diuturnamente protestam para o vazio que não se envolvem com o problema e arregaçam as mangas e mostram como agir. Orbitando em torno do próprio umbigo, nosso centro de saber parece não ter o que dizer. Talvez não se tenham dado ao trabalho de enxergar um campo de ação tão repleto de questões à espera de uma solução que pode ser até simples. O absenteísmo de nossa universidade a questões que gritam em seu próprio campus fala por si.
VISTO, LIDO E OUVIDO Criada por Ari Cunha (In memoriam)
Desde 1960 Com Circe Cunha e Mamfil
jornalistacircecunha@gmail.com
Facebook.com/vistolidoeouvido
Instagram.com/vistolidoeouvido
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Artigos'

Eu creio, Senhor, mas aumentai a minha fé

Eles entraram no sepulcro, viram e acreditaram: Cristo Ressuscitou

Família e escola: uma parceria fundamental

Quo Vadis UnB

Jesus morreu na cruz para nos dar vida em plenitude

Profissão professor

Mais pobreza

A VIA PARLAMENTARISTA

A dignidade restituída e a esperança renovada

Os robôs estão chegando!

Mais Destaques
"Já foram 19 milhões que acessaram o site do Jornal Gazeta de Toledo- ISENÇÃO E VERDADE!"
(Eliseu Langner de Lima - diretor)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)